Perfil do usuário e demanda protética do serviço de odontologia de uma Policlínica Militar

Patricia Nivoloni Tannure, Thaís Ferreira Leite, Patrick Calvano Kuchler

Resumo

Objetivou-se avaliar o perfil dos usuários e identificar os trabalhos protéticos realizados em um serviço odontológico de uma policlínica militar. Foram incluídos prontuários abertos durante os anos de 2014 a 2016 com indicação de tratamento no serviço de prótese dentaria. Foram coletados dados sócios-demográficos e informações referentes ao tipo de trabalho protético planejado, o status do tratamento, o número de consultas clínicas e informações relacionadas a satisfação do usuário frente ao tratamento realizado. Dados relativos ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das cidades cujos usuários residiam também foram analisados. A classificação de cada trabalho protético foi dada a partir da sua aplicabilidade. A amostra foi composta por 203 prontuários em que foram descritos 320 procedimentos protéticos. Destes prontuários avaliados, a maioria era de dependentes (34%), do sexo feminino (58,6%), casados (63,5%) com média de idade de 50 anos (±17,08). Em relação ao nível de escolaridade, a maior parte dos usuários (33,5%) tinha o 2º grau completo e era natural da região sudeste (80,8%). O município de Niterói, com IDH médio, era a residência de 47,3% da amostra (96 indivíduos). O principal motivo pela procura do atendimento protético foram as consultas de rotina (89,2%) e houve a conclusão dos trabalhos em 68,1% dos prontuários, predominando a prótese fixa seguida da prótese removível. Em relação a queixas durante o tratamento, em 71,9% dos prontuários não haviam relatos de pacientes insatisfeitos. O número médio de consultas para a realização dos procedimentos foi de 4 (±2,73), variando entre 1 e 15 consultas. Diante dos resultados deste estudo, pode-se concluir que a maioria dos usuários do serviço são dependentes, do sexo feminino, casados, com o 2º grau completo, com média de idade 50 anos, residentes na sua maioria em Niterói-RJ e em municípios com IDH médio e que receberam prótese fixa seguida pela prótese removível.

Palavras-chave

Registros médicos; Prótese dentária; Saúde Bucal; Hospitais militares

Texto completo:

PDF

Referências

Souza T, Roncalli A. Saúde bucal no programa saúde da família: uma avaliação do modelo assistencial. Cad Saúde Pública. 2007;23(11).2727-39. 2. Silva HEC, Gottems LBD. Interface entre a atenção primária e a secundária em odontologia no Sistema Único de Saúde: uma revisão sistemática integrativa. Ciênc Saúde Coletiva 2017;22(8):2645- 57. 3. Mattos GCM, Ferreira EF, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na estratégia saúde da família: entraves, avanços e desafios. Ciênc Saúde Coletiva 2014;19(2):373-82. 4. Brasil Ministério Saúde. Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. 5. Brasil Ministério Saúde. SB Brasil 2010: pesquisa nacional de saúde bucal: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. 6. Pinheiro RS, Torres TZG. Uso de serviços odontológicos entre os estados do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2006;11(4):999-1010. 7. Rezende RI, Morib AA, Gonçalves CL, Pavan AJ. Prótese dentária na saúde pública: resultados de um centro de especialidades odontológicas no município de Maringá - PR. Rev Odontol UNESP. 2011;40(1):12-7. 8. Ferreira CO, Antunes JLF, Andrade FB. Fatores associados à utilização dos serviços odontológicos por idosos brasileiros. Rev Saúde Pública. 2013;47(supl. 3):90-7. 9. Brasil. Ministério Defesa. Boletim do Exército n.15. Brasília: Ministério da Defesa, 2014. 10. Brasil. Ministério Defesa. Portaria n. 422, Aprova as instruções gerais da prestação de assistência à saúde suplementar dos servidores civis do Exército Brasileiro - IG 30-18. Brasília: Ministério da Defesa; 2008. 11. Brasil. Ministério Defesa. Diretriz especial gestão orçamentária e financeira. Brasília: Ministério da Defesa; 2016. 12. Todescan R, Silva EEB, Silva OJ. Atlas de prótese parcial removível; 2003. 13. Brasil. Decreto n. 60.822, Instruções gerais para a inspeção de saúde de Conscritos nas Forças Armadas. Brasília: Diário Oficial; 1967. 14. Brasil. Lei 12.705, Dispõe sobre os requisitos para ingresso nos cursos de formação de militares de carreira do Exército. Brasília: Diário Oficial; 2012. 15. Pavão ALB, Andrade D, Mendes W, Martins M, Travassos C. Estudo de incidência de eventos adversos hospitalares, Rio de Janeiro, Brasil: avaliação da qualidade do prontuário do paciente. Rev bras epidemiol. 2011;14(4):651-61. 16. Fernandes JKB, Pinho JRO, Queiroz RCS, Thomaz EBAF. Avaliação dos indicadores de saúde bucal no Brasil: tendência evolutiva pró-equidade? Cad Saúde Pública. 2016;32(2):1-18.


Visualizações do PDF:

45 views


Visualizações do Resumo:

133 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud