A estética da docência da Educação Física: corpo, emoções e subjetividade

Autores

  • Jusselma Ferreira Maia
  • Margarete May Berkenbrock Rosito Universidade Cidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.26843/v12.n1.2019.699.p146-159

Palavras-chave:

Educação Estética, ? tica, Educação Física Escolar

Resumo

Este artigo apresenta como objeto de estudo o sentido da Educação Estética na visão dos docentes de Educação Física que atuam no Ensino Fundamental I, de uma escola da rede privada do Estado de São Paulo, localizada na Zona Norte da cidade de São Paulo. O objetivo é compreender a atribuição de sentido da Educação Estética a partir das narrativas docentes da disciplina Educação Física no espaço escolar. Adota-se, como referencial teórico, a obra de Adorno, voltada para a compreensão dos parâmetros da estética da indústria cultural e da massificação da cultura, educação e emancipação, analisando os padrões de beleza e estética estipulados pela mídia, evitando assim o preconceito. A visão de Freire, no que se refere à crítica à Educação Bancária e a busca de superação, por meio da curiosidade estética, como caminho de conscientização e da autonomia. Esta pesquisa aproxima-se de Schiller, no que concerne à dimensão do sensível da arte nos processos formativos. O caminho traçado para a pesquisa será a Entrevista Narrativa com seis professores de Educação Física Escolar, que participaram de forma voluntária, e o questionário narrativo. Os dados são analisados sob o enfoque hermenêutico, na perspectiva de Gadamer (1997). A relevância social e acadêmica deste estudo encontra-se na possibilidade de compreender um dos objetivos da Educação Física o corpo e movimento, encontrando a possibilidade de compreender que o desenvolvimento da autonomia e emancipação dos sujeitos ocorre na dimensão estética nas aulas de Educação Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. W. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70, 1970.

ADORNO, T. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento: Fragmentos Filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

BERKENBROCK-ROSITO, M. M. Retalhos imaginativos: a dimensão estética nos processos formativos autobiográficos. Cadernos de Educação, 2014, 48: 52-64.

BOIS, D; AUSTRY, D. A emergência do paradigma do sensível. São Paulo: Revista @mbienteeducação, v.1, n. 1, jan-julho, 2008.

BOIS, D; BOURHIS H. O tocar na relação de cuidado baseada no sensível. Porto Alegre: Educação e Realidade, v. 37, n.1, jan-abr, 2012, p. 33-49. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/edu_realidade> Acesso em 15 jan. 2014.

BOIS, D; JOSSO, M. C; HUMPICH, M. (Org). Sujeito sensível e renovação do eu: as contribuições da fasciaterapia e a da somato-psicopedagogia. São Paulo: Paulus, 2007. Resenha de BERKENBROCK-ROSITO, M. M. Revista @mbienteeducação, v. 2, n.1, p. 181-182. Jan-jul, 2009.

DANTAS, H. OLIVEIRA, M. K. de; LA TAILLE, Y. de. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

DAOLIO, J. Da cultura do corpo. Campinas: Papirus, Campinas, 1998.

DARIDO, S. C. Educação Física na Escola. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

DUSSEL, E. ? tica da Libertação na Idade da Globalização e da Exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

DURKHEIM. ? . Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FABRI DOS ANJOS, Márcio. O corpo no espelho da dignidade e da vulnerabilidade. Revista Mundo da Saúde. São Paulo, v.30, n.3, julho/setembro, 2006, p.325-335

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

______. Pedagogia da esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

______. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

______. ? sombra desta mangueira. 9. ed. São Paulo: Olho D´Água, 2012.

GADAMER, H. G. Verdade e método. Petrópolis: Vozes, 1997.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. Lisboa: EDUCA, 2002.

______. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. W. A entrevista Narrativa. In: BAUER, M. W.;GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006

PETROVSKI, A. V. et al. Psicologia. Moscou: Progresso, 1989.

ROGERS, C. Liberdade para aprender. Belo Horizonte: Interlivros, 1992.

SANTOS, L. R. dos. Educação Estética a dimensão esquecida. In: SANTOS, L. R. dos (coord.). Educação Estética e utopia política. Lisboa: Colibri, 1996.

SANTOS, R.; FREIRE, E. S. Educação física e esporte no terceiro setor: estratégias utilizadas no ensino e aprendizagem de valores atitudes ou normas no projeto esporte e talento. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 5, n. 1, p. 35-45, 2006.

SCHILLER, F. A educação estética do homem numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 2002.

Downloads

Publicado

2019-01-03

Como Citar

MAIA, J. F.; ROSITO, M. M. B. A estética da docência da Educação Física: corpo, emoções e subjetividade. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 146–159, 2019. DOI: 10.26843/v12.n1.2019.699.p146-159. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/699. Acesso em: 24 set. 2023.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Corpo e Movimento na Educação Básica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>