Alguns apontamentos de narrativas autoformadoras: imagens e imaginários das aprendizes de professora

Lúcia Maria Vaz Peres

Resumo

Resumo

Este texto propõe-se a refletir e problematizar a pesquisa que estamos realizando, que tem como foco Histórias de Vida em Formação, e é intitulada “Garimpando imagens, memórias, representações e arquétipos nas trajetórias e (auto)biografias de alunas em formação inicial do Curso de Pedagogia da UFPEL: um estudo longitudinal (2006-2009)”. O objetivo central da referida pesquisa é acompanhar um grupo de sete alunas do Curso de Pedagogia da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL/RS). A metodologia que vem sendo empregada ancora-se em um “olhar para si”, fundamentada em Josso (2004) e no método apresentado por Durand (1988), referente ao “psicologismo metodológico e à metodologia de convergências”. Nesse sentido, construímos uma metodologia de convergências com o intuito de buscar as homologias entre as narrativas autobiográficas, as imagens da infância e as representações atuais. Constatamos que o uso de narrativas como instrumento de ensino e de pesquisa pode anunciar a possibilidade de outros aportes importantes na Formação do Professor, trazendo à luz o que vai pulsando na vida de cada um. No âmbito das pesquisas sob nossa coordenação (PERES, 1999, 2002), especialmente nesse estudo de caráter longitudinal, o narrarse constitui-se como uma ferramenta fundamental para os processos autoformadores. Tal ferramenta vem movimentando reservatórios e imaginários emdireção à construção de saberes de si e de outros; do saber-ser e do saber-fazer, simultaneamente. Com isso, pensamos estar apostando numa prática, tanto no ensino como na pesquisa, que alimenta e cultiva a florescência das imagens no ser; na experiência do vivido, num processo de redescoberta, revelação e reinvenção do que vem sendo, com vistas ao projeto de formação.

Palavras–chave: Narrativas autoformadoras; Trajetórias; Imaginário; Formação inicial.

Ponderings on self-formation narratives: images and imaginaries of teacher apprentices

Abstract

This text aims at reflecting and problematizing the research we have been carrying out, which focuses on Life Histories in Formation, and is entitled “Searching for images, memories, representations and archetypes in life courses and (auto)biographies of UFPEL Pedagogy School undergraduate students: a longitudinal study (2006-2009)”. The main goal of the referred research is to follow a group of seven Federal University of Pelotas (UFPEL/RS) Pedagogy School students. The methodology that has been used is a “look at self”, based on Josso (2004) and on the method presented by Durand (1988) related to the “methodological psychologism and the convergences methodology”. Thus, we have developed a convergences methodology in order to gather homologies among autobiographical narratives, childhood images and present representations. We have seen that the use of narratives as a teaching and research tool may announce the possibility of other important approaches on Teacher Education, making individual life impulses become known. In the research under our coordination (PERES, 1999, 2002), especially in this longitudinal study, narrating consists of an essential tool for self-formation processes. Such tool has been moving reservoirs and imaginaries for the development of the knowledge of oneself and others; of the behavior and the performance, simultaneously. Thus, we believe we are placing our bets in a practice, both in teaching and in research, which feeds and cultivates the bloom of images in the being; in life experience, in a (re)discovering, revelation and re-invention process of what has been, leading to the formation project.

Key words: Self-formating narratives; Life courses; Imaginary; Initial education.

Palavras-chave

Narrativas autoformadoras; Trajetórias; imaginário; Formação inicial.

Texto completo:

PDF

Referências

ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUC, 2004.BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BUENO, Belmira Oliveira. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores:

a questão da subjetividade. Revista Educação e Pesquisa, v. 28, n. 1, São Paulo, jan./jun., 2002.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. São Paulo: Palas Athena, 1990.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal (RN):

EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

DOMINICÉ, Pierre. A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos.

In: NÓVOA, António; FINGER, Mathias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/

CFAP, 1988.

______. L´histoire de vie comme processus de formation. Paris: L’Harmattam, 1990.

______. Enjeux de la pratique dês histories de vie comme méthode de recherche-formation dans la

formation dês formateurs. In: DESMARAIS, D.; PILON, J. M. Pratiques dês histoires de vie. Au Carrefour

de la formation, de la recherche et de l’intervention. Paris: L’Hamattan, 1996.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

______. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. São Paulo: Martins

fontes, 1989.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JUNG, Carl Gustav. O desenvolvimento da personalidade. 5. ed. Vozes, Petrópolis, 1991.

PASSEGGI, Maria da Conceição. As duas faces do memorial acadêmico. Odisséia, Natal, v. 9, n. 13-14,

p. 65-75, 2002.

PEREIRA, Marcos Vilela. A estética da professoralidade: um estudo interdisciplinar sobre a subjetividade

do professor. 1996. Tese (Doutorado)–Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.

PERES, Lúcia Maria Vaz. Dos saberes pessoais à visibilidade de uma pedagogia simbólica. 1999. Tese (Doutorado

em Educação)–Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

______ (Org.). Imagens da infância: a poética da aprendiz de professora. 1. ed. Pelotas: Ed. da UFPEL,

v. 200. 18 p.

______ (Org.). Imaginário: o “entre-saberes” do arcaico e do cotidiano. Pelotas: Ed. UFPel, 2004______. Os saberes pessoais “no tempo” de uma pedagogia simbólica. In: Cadernos de Educação. Edição

especial. Cuiabá: EdUNIC, p. 27-43, 2005.

______. Garimpando imagens, memórias, representações e arquétipos nas trajetórias e (auto)biografias de alunas

em formação inicial do curso de pedagogia da UFPEL: um estudo longitudinal. (2006-2009). Pelotas: UFPel;

CNPq; FAPERGS, 2007.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SOUZA, Elizeu Clementino. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas

sobre as histórias de vida em formação (versão on-line). Educação em Questão, v. 25, p. 22-39, 2006.

WARSCHAUER, Cecília. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro:

Paz e Terra, 2001.


Visualizações do PDF:

34 views


Visualizações do Resumo:

186 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud