Formação e autoformação: uma discussão sobre memórias, histórias de vida e abordagem autobiográfica

Marília Claret Geraes Duran

Resumo

Resumo

O artigo relaciona-se com a investigação de processos formativos de professores, considerando a abordagem (auto)biográfica. Insere-se na temática da autoformação, entendida como processo de apropriação e reapropriação individual da própria formação. Ao atribuir ao sujeito um lugar central no processo formativo, a autoformação se constitui como um dos processos formativos fundamentais. As discussões aqui apresentadas situam-se na perspectiva daqueles autores que reconhecem no método biográfico, nas histórias de vida, afinidades heurísticas e formativas em relação à problemática da autoformação.

Palavras-chave: Formação de professores; Autobiografia; Autoformação.

Formation and self formation: a discution about memories, history of life and an self biographic approach

Abstract

The article is related with the investigation of teachers’ formative processes, considering the (auto) biographic approach. It is inserted into the self-formation theme, understood as a process of appropriation and individual re-appropriation of one’s own formation. When it is attributed to the subject a central role in the formative process, self-formation is constituted as one of the fundamental formative processes. The discussions, herein presented, are situated in the perspective of the authors who recognize in the biographical method – life histories – heuristics and formative affinities in relation with selfformation questioning.

Key words: Teacher formation; Autobiography; Self-formation. 

Palavras-chave

Formação de professores; Autobiografia; Autoformação.

Texto completo:

PDF

Referências

ALARCÃO, Isabel. Formação continuada como instrumento de profissionalização docente. In: Veiga, I. (Org.). Caminhos da profissionalização do magistério. São Paulo: Papirus, 1998. p. 99-122. BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995. ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. BARTLET, Frederic Charles. Memória, contexto e convenção. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 64-70. BERGSON, H. Matière et mémoire, in Oeuvres. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 43-53. BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento de Política da Educação Fundamental. Referenciais para a Formação de Professores. Brasília: MEC/SEF, 1999. CHAUÍ, Marilena de Souza. Apresentação: os trabalhos da memória. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 17-33. CUNHA, Dóris de Arruda C. Dialogismo em Bakhtin e Iakubinskii. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2009. DOMINICÉ, Pierre. A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 101-106. DURAN, Marília Claret Geraes; SANTOS NETO, Elydio dos. Histórias de vida na formação de mestres pesquisadores em educação: vivenciando o método, enfrentando desafios, construindo possibilidades. Educação & Linguagem: Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de São Paulo, ano 8, n. 11, p. 18-30, jan./jun., 2005. FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 17-34. FINGER, Mathias. As implicações socioepistemológicas do método biográfico. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 81-97. GATTEGNO, C. Une école pour Demain, Lion, 1979. Citado por JOSSO, Christine. Da formação do sujeito... ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 44. HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução de Laurent Léon Schaffer. São Paulo: Vértice; Revista dos Tribunais, 1990. JOSSO, Christine. Da formação do sujeito... ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 35-61. JOVCHELOVITCH, Sandra. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis (RJ): Vozes, 2008. MOLON, Susana Inês. Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. Petrópolis (RJ): Vozes, 2003. NÓVOA, António; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. ______. A formação contínua entre a pessoa-professor e a organização da escola. Inovação, 4, 11, 1991. p. 63-76. ______ (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. PINEAU, Gastón. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, Antó- nio; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 65-77. STERN, William. Memória, contexto e convenção. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 68-70. VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984. VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: símios, homem primitivo e criança. Porto Alegre, Artes Médicas, 1996.


Visualizações do PDF:

480 views


Visualizações do Resumo:

2660 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud