A AUTONOMIA NA ESCOLA INCLUSIVA: CONTRIBUIÇÕES DA LUDICIDADE PARA O ENSINO E FORMAÇÃO DO PROFESSOR

Érica Aparecida Garrutti, Edna Antônia de Mattos

Resumo

Resumo

Nas últimas décadas, a inclusão é alvo de muitos estudos no campo da Educação e nas áreas diversas de interface, com vistas a se avaliar e propor políticas públicas e práticas que promovam a construção de ambientes escolares inclusivos. Diante desse enfoque, a necessidade de capacitação da comunidade escolar para construir uma escola de qualidade para todos é realidade proeminente. Além da formação didático-pedagógica, devem-se proporcionar condições para que o professor desenvolva atitudes favoráveis em relação à inclusão e reconheça os alunos em suas potencialidades. Ainda, para que o professor atue com autonomia em uma escola pautada no paradigma inclusivo, é necessário buscar uma formação que resgate no professor o encontro consigo e com o mundo, sendo o lúdico uma importante condição tanto para o favorecimento de tal encontro como o desenvolvimento das ações pedagógicas com os alunos com necessidades educacionais especiais. Nesse sentido, esta pesquisa versará sobre o lúdico na forma- ção de professores com orientação inclusiva e terá, especificamente, o objetivo de analisar as contribuições do lúdico para a educação de crianças com necessidades especiais, aspecto a ser considerado nessa formação.

 

PALAVRAS-CHAVE: Autonomia ;Ludicidade ; Formação docente; Educação inclusiva.

Abstract

In recent decades, the inclusion is a target of many studies in the field of education and in various areas of interface, with a view to assess and propose public policies and practices that promote the construction of inclusive educational environments. Given this focus, the need for training of the school community to build a school for all is prominent reality. In addition to the didactic-pedagogic training it must provide conditions for which the teacher develops favorable attitudes towards inclusion and recognizes students in their potential. Still, for the professor to act with autonomy in a school based on the inclusive paradigm, it is necessary to seek a rescue in teacher training that the meeting with you and with the world, being the playful one important condition both for the favouring of such meeting as the development of pedagogical actions with pupils with special educational needs. In this sense, this research will deal about the playful in the training of teachers, with an inclusive orientation and, specifically, the objective of analysing the contributions from the playful to the education of children with special needs, aspect to be considered in this training.

KEY WORDS: Autonomy ; Playfulness ; Teacher training ;Inclusive education.

Palavras-chave

Autonomia;Ludicidade;Formação docente;Educação inclusiva.

Texto completo:

PDF

Referências

Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Benjamin, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo:

Summus, 1994.

Bojunga, L. Feito à mão. Rio de Janeiro: Agir, 1999.

Bondía, J.L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan.-abr. 2002.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Câmara dos Deputados, 1996.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001, institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: CNE/ CEB, 2001.

Brasil. Plano Nacional de Educação: lei n. 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Brasília: Câmara dos Deputados, 2002.

Brasil. Política nacional de educação especial na perspectiva inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

Bueno, J.G.S. Crianças com necessidades educativas especiais, política educacional e a formação de professores: generalistas ou especialistas? Revista Brasileira de Educação Especial, v. 3, n. 5, p. 07-25 set. 1999.

Dias, M.C.M. O direito da criança e do educador à alegria cultural. In: Nicolau, M. L. M. ;Dias, M. C. M. Oficinas de sonho e realidade na formação do educador da infância. Campinas, SP: Papirus, 2003.

Freire, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2006.

Glat, R.;Ferreira, J. Panorama nacional da educação inclusiva no Brasil.

Acesso em: 10 jan. 2008.Disponível em: < http://www.acessibilidade.net/at/kit2004/Programas%20CD/ATs/cnotinfor/Relatorio_Inclusiva/pdf/ Educacao_inclusiva_Br_pt.pdf >.

Medeiros, W.A. Miritibrincando, miritizando: ludicidade, educação e inclusão. 2005. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação,

Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

Moraes, S.M. Descobrir as texturas da essência da terra: formação inicial e práxis criadora do professor de arte. 2007. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Moreira, A.A.A. O espaço do desenho: a educação do educador. São Paulo

Loyola, 1984.

ONU. Organização das Nações Unidas: assembleia geral: resolução 45/9.

Porcher, L. Educação artística: luxo ou necessidade? São Paulo: Summus,

Sant’Ana, I.M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 227-234, mai./ago. 2005.

UNESCO. Declaração de salamanca e linha e ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Corde, 1994.


Visualizações do PDF:

37 views


Visualizações do Resumo:

271 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud