O sentido do conhecimento no currículo escolar de instrumento de adaptação ao processo de humanização

Contribuições do pensamento freiriano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1182

Palavras-chave:

Paulo Freire, Conhecimento, Currículo, Humanização

Resumo

Este artigo analisa as dimensões e os significados menos evidentes do conhecimento que é previsto para a escola pública brasileira pelas reformas curriculares atuais. Ainda que a gestão desse conhecimento feita na escola pareça óbvia, dada a veracidade do diagnóstico, a análise de como se efetiva esse processo não parece clara. As discussões teóricas empreendidas na investigação resultam de pesquisa bibliográfica de caráter histórico-dialético, realizada a partir da leitura de documentos legais e da literatura que discute políticas curriculares de educação básica no Brasil. Os resultados apontam que o conhecimento escolar atua como mecanismo de controle e de adaptação dos educandos à nova ordem mercadológica de trabalho, marcada pelos imperativos do capital. Na contramão dessa proposta, discutimos, à luz do pensamento freiriano, a urgência de socialização do conhecimento no currículo escolar como uma força social de libertação a serviço do processo de humanização, com vista à superação da desigualdade socioeducacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raimundo Nonato Moura Oliveira, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Caxias – MA – Brasil

Professor do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado Profissional (PPGE). Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Currículo, Formação de Educadores e Prática Pedagógica. Doutorado em Educação (PUC/SP).

Referências

ALVES, G. Lukács e o século XXI: Trabalho, estranhamento e capitalismo manipulatório. Bauru, SP: Editora Práxis, 2010.

ALVES, M. P. C. Currículo e avaliação: Uma perspectiva integrada. Porto: Porto Editora, 2004.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2020.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): Educação é a base. Brasília, DF: MEC; CONSED; UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2019.

BRASIL. Censo da educação básica 2020: Resumo técnico. Brasília, DF: Inep; MEC, 2021.

CARDOSO, E. M.; ELIAS, E. O. As aporias do projeto moderno: Considerações à luz do pensamento de Adorno. Educação em Revista, Marília, v. 6, n. 1, p. 23-36, 2005. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/educacaoemrevista/article/view/596. Acesso em: 22 nov. 2012.

CASALI, A. O que é educação de qualidade? In: MANHAS, C. (org.). Quanto custa universalizar o direito à educação? Brasília, DF: UNICEF; CONANDA, 2011.

CHAUÍ, M. A ideologia da competência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo: Autêntica, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Conscientização: Teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2001.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011a.

FREIRE, P. Por uma pedagogia da pergunta. São Paulo: Paz e Terra, 2011b.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: Um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômica-social e capitalista. São Paulo: Cortez, 2006.

GENTILI, P.; SILVA, T. T. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

GÍMENO-SACRISTÁN, J. Educar e conviver na cultura global: As exigências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação: Para além das teorias da reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

GUTIÉRREZ, F. Educação como práxis política. São Paulo: Summus, 1988.

HADJI, C. Avaliação desmitificadora. Porto Alegre: Artmed, 2001.

KEMMIS, S.; PETER, C.; SUGGETT, D. Hacia una escuela socialmente crítica: Orientaciones para el currículo y la transición. Valência: Nau Llibres, 2007.

LAVAL, C. A escola não é uma mercadoria: Neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

NEVES, L. M. W.; PRONKO, M. A. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

OLIVEIRA, R. N. M. Práticas curriculares significativas para a educação de jovens e adultos: Uma construção a partir de suas histórias de vida. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/9771. Acesso em: 13 maio 2022.

PÁDUA, E. M. M. O processo de pesquisa. In: PÁDUA, E. M. M. Metodologia da pesquisa: Abordagem teórico-prática. Campinas, SP: Papirus, 2007.

PUCCI, B. Teoria crítica e educação: A questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

SAUL, A. M. Avaliação da aprendizagem: um caminho para a melhoria da qualidade na escola. In: CAPPELLETI, I. F. (org.). Avaliação educacional: Fundamentos e práticas. São Paulo: Editora Articulação Universidade/Escola Ltda, 2001.

SCHULTZ, T. O capital humano: Investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

Publicado

2022-12-26

Como Citar

Oliveira, R. N. M. (2022). O sentido do conhecimento no currículo escolar de instrumento de adaptação ao processo de humanização: Contribuições do pensamento freiriano. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022015. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1182

Edição

Seção

Artigos Científicos