A implementação da BNCC em um município do ABC Paulista na perspectiva dos gestores escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1161

Palavras-chave:

BNCC, Gestão escolar, Políticas educacionais

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de analisar as concepções dos gestores escolares sobre o processo de implementação da BNCC em São Bernardo do Campo no ABC paulista. Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa cujos dados foram obtidos por meio de entrevista, com roteiro semiestruturado, realizada com diretores de seis escolas públicas desse município. Os depoimentos dos diretores foram analisados e interpretados na perspectiva da análise de conteúdo e à luz da literatura que discorre sobre o assunto. Os resultados mostram que os diretores são favoráveis à BNCC por entenderem que é necessário ter um documento para orientar a construção dos currículos, mas consideram-na muito ampla, o que pode dificultar a revisão dos projetos pedagógicos das escolas. Outro aspecto identificado na pesquisa é que os professores não estão preparados para o desenvolvimento das competências gerais da BNCC, cuja tarefa representa um desafio a mais para a gestão da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nonato Assis de Miranda, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul – SP – Brasil

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Cristina Favaron Tugas, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul – SP – Brasil

Diretora do Colégio Termomecânica. Mestrado em Educação (USCS).

Maria do Carmo Romeiro, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul – SP – Brasil

Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa. Doutorado em Administração (USP).

Referências

AGUIAR, M. Â. S. Relato da resistência à instituição da BNCC pelo conselho nacional de educação mediante pedido de vista e declarações de votos. In: AGUIAR, M. Â. S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Moção 12: Moção contrária à base Nacional Comum Curricular. Rio de Janeiro: ANPED, 2015. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/mocoes-recomendacao-e-manifestos-37a-reuniao-nacional-da-anped. Acesso em: 02 jul. 2019.

AVELAR, M.; BALL, S. J. Mapping new philanthropy and the heterarchical state: The mobilization for the national learning standards in Brazil. International Journal of Educational Development, v. 64, p. 65-73, jan. 2019. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0738059317302080. Acesso em: 18 out. 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Resolução n. 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Base Nacional Curricular Comum: Educação é a Base. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

BURGOS, M. B. Base Nacional Comum: O currículo no centro do debate público. Boletim CEDES, ago./dez. 2015. Disponível em: http://www.cis.puc-rio.br/cis/cedes/bn/setembro_dezembro_2015/3-base-nacional-comum_marcelo-burgos.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

CARVALHÊDO, J. L. P. Gestão da escola básica pública e BNCC: Quais as implicações? Revista Exitus, Santarém, v. 10, p. 01-12, 2020. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/338332413_Gestao_da_escola_basica_publica_e_BNCC_quais_as_implicacoes. Acesso em: 18 fev. 2022.

CÁSSIO, F.; CATELLI, R. Educação é a Base? 23 educadores discutem a BNCC. São Paulo: Ação Educativa, 2019.

CERICATO, L. A formação de professores e as novas competências gerais propostas pela BNCC. Revista Veras, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 137-149, jul./dez. 2018. Disponível em: https://www.lauricericato.com.br/wp-content/uploads/2019/02/LauriCericato.pdf. Acesso em: 23 mar. 2021.

CORREA, A.; MORGADO, J. C. A construção da Base Nacional Comum Curricular no Brasil: Tensões e desafios. In: COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO - COLBEDUCA, 4., 2018, Braga e Paredes de Coura. Anais eletrônicos [...]. Braga e Paredes de Coura: UDESC, UMinho, UFPA, 2018. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/colbeduca/article/view/12979/8307. Acesso em: 20 fev. 2020.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: Escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. Base nacional comum curricular (BNCC) e os impactos nas políticas de regulação e avaliação da educação superior. In: AGUIAR, M. Â. S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

EMILIO, R. M.; ABDALLA, M. F. B. A BNCC como mecanismo de controle da educação. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 700-730, set./dez. 2021. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/index.php/ambienteeducacao/article/view/1119. Acesso em: 25 fev. 2022.

ESTEVÃO, C. A. Gestão estratégica nas escolas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2014.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 4. ed. Brasília, DF: Liber Livro, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola. Goiânia: Alternativa, 2004.

LOPES, A. C. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, M. Â. S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MELLO, G. N. Educação Escolar Brasileira: O que trouxemos do século XX? Porto Alegre: Artmed, 2004.

MOREIRA, D. O. Pedagogia das competências e escolas estaduais de educação profissional do Ceará: Formando para o mercado. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/24659. Acesso em: 06 set. 2021.

MORTATTI, M. R. L. Essa Base Nacional Comum Curricular: Mais uma tragédia brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização – IBAIF, Vitória, v. 1, n. 2, p. 191-205, jul./dez. 2015. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/69. Acesso em: 22 out. 2021.

POTI, D. P. A. O papel do gestor e a sua articulação com as práticas pedagógicas. 2014. Monografia (Especialização em Gestão Escolar) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: https://bdm.unb.br/handle/10483/9142. Acesso em: 11 abr. 2022.

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: O problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento Revista de Educação, Niterói, v. 3, n. 4, p. 54-84, 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32575. Acesso em: 08 out. 2021.

SILVA, M. R. Currículo e competências: A formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, M. R. A BNCC da reforma do ensino médio: O resgate de um empoeirado discurso. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 34, p. 1-15, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/V3cqZ8tBtT3Jvts7JdhxxZk/?format=html&lang=pt. Acesso em: 11 fev. 2022.

USP. Universidade de São Paulo. Sobre a construção de uma Base Nacional Comum Curricular para o Brasil. [s.d.]. Disponível em: https://Edisciplinas.Usp.Br/Acessar/. Acesso em: 18 maio 2019.

VEIGA, I. P. A.; SILVA, E. F. S. Ensino fundamental: Da LDB à BNCC. Campinas, SP: Papirus, 2018.

Publicado

2022-12-29

Como Citar

Miranda, N. A. de, Tugas, C. F., & Romeiro, M. do C. (2022). A implementação da BNCC em um município do ABC Paulista na perspectiva dos gestores escolares. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022021. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1161

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)