Formação docente

Sentidos do ser professor em situação de creche

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1137

Palavras-chave:

Processos Identitários, Formação Docente, Educação Infantil, Creche

Resumo

Este artigo objetiva socializar, de maneira sucinta, parte dos resultados de uma pesquisa de doutorado que teve como objetivo compreender as tessituras identitárias de professores em situação de creche na cidade de Manaus[1]. Nesse contexto procuramos responder à seguinte questão: Como os professores que atuam em creches, na cidade de Manaus, dão sentido/significado aos processos identitários, que os atravessam, e como os (re) constroem, por meio das interações que envolvem: trajetórias de vida/formação cultural; formação docente/inserção profissional? A partir da emergência de narrativas e memórias pertinentes a sete colaboradoras no estudo, a pesquisa com inspiração multirreferencial e uso da bricolagem como movimento possível na experimentação construtiva da caminhada investigativa, aventurou-se no diálogo com os fundamentos da Teoria da Complexidade de Edgar Morin e Abordagem Histórico-Cultural de Vigotski e colaboradores. As discussões apontam as categorias empíricas, relacionadas a elementos de história de vida, anteriores à inserção profissional das docentes, e que têm relação com os processos constitutivos atuais que as atravessam enquanto sujeitos históricos, de modo a se ressignificarem e a se conduzirem para uma organização nova, mais elaborada de sua profissionalidade na creche. Nesse sentido, apresentam como uma reflexão importante na concepção de ser professor em situações de creche o sentido do processo sócio-histórico na formação docente enquanto atividade humana nas relações sociais e culturais, configurando o entendimento do pensamento pedagógico em sua complexidade.

 

[1] Trata-se da tese: Tessituras identitárias de professores em situação de creche na cidade de Manaus, de autoria de Maria Goreth da Silva Vasconcelos, sob a orientação do professor Dr. João Luiz da Costa Barros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Gorete da Silva Vasconcelos, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus – AM – Brasil

Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia.

João Luiz da Costa Barros, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus – AM – Brasil

Professor Permanente. Pós-doutorado em Educação (UECE).

Referências

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12 mar. 2021.

BERNARDES, M. E. M. Mediações simbólicas na atividade pedagógica: Contribuições do enfoque histórico-cultural para o ensino e aprendizagem. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-05122007-145210/en.php. Acesso em: 21 nov. 2021.

FIGUEIREDO, K. K. R.; LIMA, M. G. S. B. Produzindo dados com pesquisa narrativa para apreender a constituição das aprendizagens do professor de Educação Infantil. In: ARAÚJO, R. D.; ARAÚJO, F. A. M. (org.). Processos metodológicos na pesquisa em educação: Dispositivos de produção e análise de dados em movimento. Parnaíba: Acadêmica Editorial, 2020.

GATTI, B. A. Educação, escola e formação de professores: Políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, p. 51-67, out./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/MXXDfbw5fnMPBQFR6v8CD5x/?lang=pt&format=html. Acesso em: 05 maio 2021.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. 2. ed. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.

LÓPEZ, M. E. Bebês como autores e leitores. In: BRASIL. Ser docente na Educação Infantil: Entre o ensinar e o aprender. Brasília, DF: MEC; SEB, 2016.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2008.

MELLO, S. A. Linguagem e alienação da consciência. ALFA: Revista Linguística, São Paulo, n. 41, p. 109-131, 1997. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/4016. Acesso em: 12 abr. 2021.

MENKAIKÁ, T. Geometria sagrada: O significado da espiral. Poder Magnético, out. 2017. Disponível em: https://podermagnetico.com.br/2017/10/14/%20geometria-sagrada-o-significadoda-espiral/. Acesso em: 05 abr. 2021.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: Repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

RICHTER, S. Docência e Formação Cultural. In: BRASIL. Ser docente na Educação Infantil: Entre o ensinar e o aprender. Brasília, DF: MEC; SEB, 2016.

SOUZA, E. C. Pesquisa narrativa e escrita (auto)biográfica: Interfaces metodológicas e formativas. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (org.). Tempos, narrativas e ficções: A invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VIGOTSKI, L. S. Quarta aula: A questão do meio na pedologia. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pusp/v21n4/v21n4a03.pdf. Acesso em: 08 ago. 2019.

Publicado

2022-06-01

Como Citar

Vasconcelos, M. G. da S., & Barros, J. L. da C. (2022). Formação docente: Sentidos do ser professor em situação de creche. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022007. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1137

Edição

Seção

Artigos Científicos