Docentes da educação básica e as suas percepções sobre gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1136

Palavras-chave:

Educação básica, Gênero, Docentes

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar as percepções que docentes de uma escola pública do Estado de São Paulo têm sobre questões de gênero. A partir da leitura de referências na área de gênero e educação, notou-se que a sociedade possui expectativas diferentes em relação aos papeis que homens e mulheres devem manifestar, e que os sujeitos podem sofrer bullying quando se deslocam das performances esperadas. Nesta pesquisa, utilizou-se grupo focal, a literatura sobre gênero, gênero e diversidade na escola, bem como a hermenêutica-dialética como perspectiva de interpretação dos dados. Conclui-se que a maior parte dos sujeitos concebem gênero como característica biológica, gostam de discutir sobre o assunto e que há posicionamentos ambivalentes transitando entre compreensões mais ou menos tradicionais sobre as expectativas de comportamento para homens e mulheres. Evidencia-se a presença de sujeitos que questionam a naturalização das diferenças consideradas tradicionais: as professoras mais jovens, com pós-graduação, tenderam a legitimar formas mais flexíveis de performances e a reconhecerem mais enfaticamente a importância de maior igualdade de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Leite Sousa, Secretaria Municipal de Educação (SME), São Paulo – SP – Brasil

Professor de Ensino Fundamental II e Médio (Inglês). Mestrado em Educação (UNICID).

Vanda Mendes Ribeiro, Instituto Jus, São Paulo – SP – Brasil

Pesquisadora sobre políticas públicas. Doutorado em Educação (FEUSP).

Referências

ARALDI, E. Contribuições do pensamento feminista para uma explicação localizada da educação e da aprendizagem. Revista Interinstitucional Artes de Educar, v. 3, n. 1, p. 170-183, mar./jun. 2017. Disponível em: https://www.academia.edu/52131943/Contribui%C3%A7%C3%B5es_Do_Pensamento_Feminista_Para_Uma_Explica%C3%A7%C3%A3o_Localizada_Da_Educa%C3%A7%C3%A3o_e_Da_Aprendizagem. Acesso em: 16 jul. 2021.

ÁVILA, A. H. et al. Professores/as diante da sexualidade-gênero no cotidiano escolar. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 2, p. 289-298, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722011000200012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 jan. 2020.

BARBOSA, A. et al. A diversidade em sala de aula e a relação professor-aluno. Estudos de Psicologia (Campinas), Campinas, v. 28, n. 4, p. 453-461, dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/estpsi/a/4HpW6zSN4vBhXZdM9PccJqL/abstract/?lang=pt. Acesso em: 23 nov. 2020.

BARBOSA, E. F. Instrumentos de coleta de dados em pesquisas educacionais. Minas Gerais: SEE; CEFET, 1998. Disponível em: https://www2.unifap.br/midias/files/2012/03/coleta_dados.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

BARBOSA, L.; REIS, F. “Mulher no volante, perigo constante”: Problematizações a partir de textos humorísticos. In: SEMINÁRIO CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE: RESISTÊNCIAS E OCUPA(AÇÕES) NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO, 7. 2018, Rio Grande. Anais [...]. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, 2018. Disponível em: https://7seminario.furg.br/images/arquivo/74.pdf. Acesso em: 10 set. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 08 ago. 2021.

BRITO, R. S. Fracasso de meninos no ensino fundamental: As contribuições da categoria gênero na compreensão desse quadro. In: CARVALHO, M. P.; PINTO, R. P. (org.). Mulheres e desigualdade de gênero. São Paulo: Contexto, 2008.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARVALHO, M. P. O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 109, 240-242, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/p8jWp3CBsf4r65P8svJM9yk/?lang=pt. Acesso em: 15 jan. 2020.

FARIA, N.; NOBRE, M. Gênero e Desigualdade - O que é ser mulher? O que é ser homem? Subsídios para uma discussão das relações de gênero. Cadernos Sempreviva, São Paulo, p. 1-3, 1997. Disponível em: http://enfoc.org.br/system/arquivos/documentos/13/f1119o-que-e-ser-mulher-e-homem---nalu-faria-e-miriam-nobre.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

GERHARDT, T.; SILVEIRA, D. (org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

LAFFIN, M. H. L. F. Reciprocidade e acolhimento na educação de jovens e adultos: Ações intencionais na relação com o saber. Educar em revista, Curitiba, n. 29, p. 101-119, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n29/08.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

MADUREIRA, A. F. A.; BRANCO, A. U. Gênero, sexualidade e diversidade na escola a partir da perspectiva de professores/as. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 23, n. 03, p. 577-591, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v23n3/v23n3a05.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

MOREIRA, M. F. S.; SANTOS, L. P. Indisciplina na escola: Uma questão de gênero. Educação em Revista, Marília, n. 3, p. 141-160, 2002. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/educacaoemrevista/article/view/2151. Acesso em: 10 mar. 2020.

NASCIMENTO, A. Educação sexista: Uma reprodução da ideologia patriarcal. Campina Grande: Centro Multidisciplinar de Estudos e Pesquisas, 2015.

PEREIRA, F. Configuração do ofício de aluno - meninos e meninas na escola. In: REUNIÃO DE TRABALHO DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2015. Disponível em: http://37reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Trabalho-GT14-3976.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

SAFFIOTI, H. O poder do macho. Coleção Polêmica. São Paulo: Moderna, 1987.

SÃO PAULO. Diversidades sexuais e de gênero: Guia de metodologias e atividades para o programa escola da família. São Paulo: Secretaria Estadual de Educação, 2014. Disponível em: https://midiasstoragesec.blob.core.windows.net/001/2017/04/cgebdiversidades-sexuais-e-de-gnero-n-14.pdf. Acesso em: 16 jan. 2020.

SCHLEIERMACHER, F. D. E. Hermenêutica: Arte e técnica da interpretação. 2. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999.

SCOTT, J. Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em: 16 jan. 2020.

SENKEVICS, A. Lavar a louça ou brincar na rua? Gênero, família e escola em camadas populares de São Paulo. In: REUNIÃO DE TRABALHO DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2015. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt14-3514.pdf. Acesso em: 16 jan. 2020.

SILVEIRA, M. L. Gênero e educação: Caderno para professores. São Paulo: Secretaria Municipal de Educação, 2003.

SOUSA, I. L. Os (des)entendimentos de professoras e professores da educação básica sobre a temática “gênero”. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

TORTATO, C. Pensar a escola como um lugar para todos: A inclusão do gênero. In: COVOLAN, N. T.; OLIVEIRA, D. C. (org.). Educação e diversidade: A questão de gênero e suas múltiplas expressões. Rio de Janeiro: Editora Autografia, 2015.

VIANNA, C.; FINCO, D. Meninas e meninos na Educação Infantil: Uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, Campinas, n. 33, p. 265-283, dez. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cpa/a/GXVR8FrdMjrcWHvLWcv7xrF/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2020.

Publicado

2022-06-01

Como Citar

Sousa, I. L., & Ribeiro, V. M. (2022). Docentes da educação básica e as suas percepções sobre gênero. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022004. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1136

Edição

Seção

Artigos Científicos