Agroecologia e gêneros textuais na formação de estudantes do ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1108

Palavras-chave:

Palavras-chave, educação ambiental, gêneros textuais, sustentabilidade.

Resumo

O presente artigo traz uma reflexão sobre a introdução dos princípios e conceitos da Agroecologia na formação de jovens do ensino médio utilizando-se da metodologia de gêneros, na disciplina de Língua Portuguesa. Ao analisar a importância da Agroecologia e suas dimensões para a construção de modelos de desenvolvimento sustentáveis e da educação como fator de construção e transformação da realidade, discutiu-se, a partir do modelo educacional da escola urbana frente à escola rural, da proposta de uma educação do campo, e dos princípios propostos pela educação ambiental, o papel da educação e do educador, como agentes na construção de referenciais na cultura e comportamentos, para transformações e novas práticas sociais. Por fim, a partir da análise dos fundamentos das teorias de concepção de linguagem e de gêneros, propor sua utilização como instrumentos para a introdução dos temas da Agroecologia na educação de jovens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Silvia Úbeda de Castro, Colégio Estadual Dr. Gastão Vidigal (CEGV), Maringá – PR – Brasil

Professora. Mestrado em Agroecologia (UEM).

Maria Christine Berdusco Menezes, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR – Brasil

Professora Adjunta no Departamento de Teoria e Prática. Docente no Programa em Educação (PPE) e do Mestrado Profissional em Agroecologia (PROFAGROEC). Doutorado em Educação (UEM).

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: Bases científicas para uma agricultura sustentável. 3.ed. São Paulo, Rio de janeiro: Expressão Popular; 2012.

ANTÔNIO, D. J.; NAVARRO, P. (org.) Gêneros em contexto de vestibular. Maringá: Eduem, 2017, p. 253-257.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 4. ed. São Paulo: Hucitec,1988.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAKHTIN, M.; VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec,1992.

BAKHTIN, M; VOLOSHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. Traduzido: Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2012 [1929].

BRAIT, B. Análise e Teoria do Discurso. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: Outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006.

BRAIT, B. A natureza dialógica da linguagem: formas e graus de representação dessa dimensão constitutiva. In: FARACO, C. A.; TEZZA, C.; CASTRO, G. (org.). Diálogos com Bakhtin. 4. ed. Curitiba, PR: UFPR, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 23 out. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 25 set. 2020.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 2003.

CALDART, R.S. Escolas do Campo e Agroecologia: Uma agenda de trabalho com a vida e pela vida! Porto Alegre, 2016.

CALDART, R. S. Caminhos para transformação da escola: Trabalho, agroecologia e estudos nas escolas do campo. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Análise multidimensional da sustentabilidade: uma proposta metodológica a partir da Agroecologia. Rev. Agroecol. e Desenv. Rur. Sustent., Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 70-85, 2002. Disponível em: https://www.projetovidanocampo.com.br/agroecologia/analise_multidimensional_da_sustentabilidade.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e Extensão Rural: Contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília, DF: MDA; SAF; DATER-IICA, 2004.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: Alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA; SAF; DATER-IICA, 2007.

COSTA-HÜBES, T. C. A construção do objeto de ensino no curso de Letras. Letras, Santa Maria, v. 22, n. 44, p. 107-132, jan./jun. 2012.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípio e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Os gêneros escolares: Das práticas de linguagemaos objetos de ensino. Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 11, p. 5-16, 1999. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-24781999000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 jul. 2021.

EHLERS, E. Agricultura Sustentável: Origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livros da Terra, 1996.

FERNANDES, B. M. Diretrizes de uma Caminhada. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (org.). Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. Cascavel: Assoeste,1984.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: Processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

GUEDES, I. C. et al. A Discussão do Conceito de Sustentabilidade nos Cursos de Graduação: O Exemplo da Pedagogia. Revbea, Revista Brasileira de educação Ambiental, Rio Grande, v. 8, n. 1, p. 68-82, 2013. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea/article/view/1786. Acesso em: 21 jan. 2022.

JACOBI, P. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, mar. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/kJbkFbyJtmCrfTmfHxktgnt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 23 out. 2021.

JESUS, E. L. Diferentes abordagens de agricultura não convencional: História e filosofia. In: AQUINO, A. M.; ASSIS, R. L. (ed.). Agroecologia: Princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2005.

KOLLING, E. J.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. (org.). Educação do campo: Identidade e políticas públicas. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, 2002.

MARCUSCHI, A. F. A questão do suporte dos gêneros textuais. Revista DLCV, João Pessoa, v. 1, n.1, p. 9-40, 2003.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MENEGASSI, R.J. Aspectos sobre o gênero Discursivo. In: ANTÔNIO, D. J.; NAVARRO, P. (org.). Gêneros em contexto de vestibular. Maringá: EDUEM, 2017.

PERFEITO, A. M. Concepção de linguagem, teorias subjacentes e ensino de língua portuguesa. In: MENEGASSI, R. J.; SANTOS, A. R.; RITTER, L. C. (org.). Concepções de linguagem e ensino. Maringá: Eduem, 2010.

SECAD. Referências para uma Política Nacional de Educação do Campo. Brasília, DF: MEC, 2007.

SOUZA, M. A. Educação do Campo: Propostas e práticas pedagógicas do MST. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

TAMAIO, I. A Mediação do professor na construção do conceito de natureza. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2000.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Publicado

2022-06-01

Como Citar

Castro, M. S. Úbeda de, & Menezes, M. C. B. (2022). Agroecologia e gêneros textuais na formação de estudantes do ensino médio. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022008. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1108

Edição

Seção

Artigos Científicos