Transparências veladas

Os usos econômicos dos sistemas de avaliação de aprendizagem nas políticas de educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1080

Palavras-chave:

Políticas Educacionais. Indicadores. Accountability. BNCC. Reformas de Estado.

Resumo

Este estudo qualitativo desenvolvido a partir de pesquisa bibliográfica propõe-se a analisar, a luz da teoria dos Múltiplos Fluxos de Kingdon, o caso de formação de agenda e formulação da política nacional de currículo que dá origem a BNCC. Sob um cenário político controverso e, identificando uma janela de oportunidades, grupos vinculados ao mundo empresarial formam coalizões e alianças de modo a influenciar a agenda pública e apresentar suas ideias à arena de debates das políticas educacionais de educação, disputando o conteúdo da educação brasileira. Nesse contexto, analisamos o papel do accountability e dos indicadores, argumento empregado por determinadas coalizões, que justificavam a necessidade de reforma pelos resultados de avaliações de larga escala, que sustentam o argumento de uma ausência de qualidade da educação. Tal melhoria ocorreria a partir de reformas como a que originou a BNCC e colocou em disputa projetos de estado, educação e sociedade. Os mecanismos de accountability, tendo seus resultados interpretados por grupos de interesse, foram fundamentais para a sustentação do processo reformista e importante ferramenta para influenciar a formação de agenda e a formação de políticas alinhadas às perspectivas de uma gestão gerencialista do Estado. Conclui-se que o Estado tem suas funções redesenhadas, e que as fronteiras entre o público e privada tornam-se difusas. Na política educacional em discussão, identifica-se o avanço da participação de atores e instituições do mundo corporativo influenciando o conteúdo da política educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristian Andrei Tisatto, Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo – RS – Brasil

Doutorando em Ciências Sociais - CAPES.

Referências

ABRUCIO, F. L.; LOUREIRO, M. R. Finanças públicas, democracia e accountability: Debate teórico e o caso brasileiro. In: ARVATE, P. R.; BIDERMAN, C. Economia do setor público no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier; Campus, 2004.

AFONSO, A. Reforma do estado e políticas educacionais: Entre a crise do Estado-Nação e a emergência da regulação supranacional. Educ. Soc., v. 22, n. 75, p. 15-32, ago. 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/CGkRcsCcsynSwtSRsj44LBf/?lang=pt&format=html. Acesso em: 19 jul. 2020.

AFFONSO, A. J. Políticas avaliativas e accountability em educação –subsídios para um debate ibero americano. Sísifo, Revista de Ciências da Educação, n. 09, p. 57-70, maio/ago. 2009. Disponível em: http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/148/251. Acesso em: 12 ago. 2021.

AGUIAR, M. A. Relato da resistência à instituição da BNCC pelo Conselho Nacional de Educação mediante pedido de vista e declarações de votos. In: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. Disponível em: https://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 24 ago. 2020.

ARANTES, R. B. et al. Controles democráticos sobre a administração pública no Brasil: Legislativo, Tribunais de Contas, Judiciário e Ministério Público. In: ABRUCIO, F. L.; LOUREIRO, M. R.; PACHECO, R. S. (org.). Burocracia e política no Brasil: Desafios para o estado democrático no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2010. v. 1.

BALL, S. Performatividade, privatização e o pós-Estado do bem-estar. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/3DXRWXsr9XZ4yGyLh4fcVqt/. Acessado em: 06 nov. 2021.

BENTO, J. Julgar a Política: Lutas pela definição da boa administração pública no Rio Grande do Sul (1992-2016). 2017. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/168951. Acesso em: 26 jul. 2021.

BENTO, J. Da crítica da política à gestão pública eficaz: A despolitização como estratégia de poder. DEBATES - UFRGS, v. 12, n. 3, p. 107–122, 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/debates/article/view/85870. Acesso em: 28 jul. 2021.

BERNARDI. L. M. et al. Relações do Movimento Empresarial na Política Educacional Brasileira: A discussão da Base Nacional Comum. Currículo Sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 29, 2018. Disponível em: https://www.ufrgs.br/gprppe/wp-content/uploads/2019/04/Livro-2018.pdf. Acesso em: 13 jan. 2022.

BRESSER PEREIRA, L. C. A reforma do estado dos anos 90: Lógica e mecanismos de controle. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 45, p. 49-95, 1998. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ln/a/xQZRPfMdrHyH3vjKLqtmMWd/?lang=pt&format=html. Acesso em: 18 jan. 2022.

BRESSER PEREIRA, L. C. Democracia, estado social e reforma gerencial. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 112–116, mar. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rae/a/gfRLmWnLrxgkj6ChFJrZ53s/?lang=pt. Acesso em: 13 fev. 2022.

CAMPOS, A. M. Accountability: Quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 30-50, fev./abr. 1990. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/9049. Acesso em: 14 abr. 2021.

CAPELLA, A. C. N. “Formação da Agenda Governamental: Perspectivas Teóricas”. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 29., 2005, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPOCS, 2005. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-29-encontro/gt-25/gt19-21/3789-acapella-formacao/file. Acesso em: 12 maio 2021.

CAPELLA, A. C. N. Perspectivas teóricas sobre o processo de formulação de políticas públicas. In: HOCHMAN, G. et al. (org.). Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

CAPELLA, A. C. N. Formulação de Políticas Públicas. Brasília, DF: ENAP, 2018. Disponível em: https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/3332/1/Livro_Formula%C3%A7%C3%A3o%20de%20pol%C3%ADticas%20p%C3%BAblicas.pdf. Acesso em: 23 dez. 2021.

CLEMENS, E. Repertórios organizacionais e mudança institucional: Grupos de mulheres e a transformação na política dos Estados Unidos. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 3, p. 161-218, 2010. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1679. Acesso em: 18 mar. 2021.

CORAGGIO, J. L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L.; WARDE, J.; HADDA, S. (org.) O Banco Mundial e as políticas educacionais. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

CORRÊA, A.; MORGADO, J. C. O emaranhado de fios que envolve os contextos de influência e de produção da BNCC. Revista Teias, v. 20, n. 59, p. 235-250, dez. 2019. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-03052019000500235&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 6 out. 2021.

CORRÊA, A.; MORGADO, J. C. Os contextos de influência política e de produção de texto no currículo nacional brasileiro. TEXTURA - Revista de Educação e Letras, v. 22, n. 50, p. 19-85, mar. 2020. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/5622. Acesso em: 20 jan. 2022.

EVANS, P. O Estado como problema e solução. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 28-29, p. 107–157, abr. 1993. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ln/a/kyMbGKjkLCTpzmMjCpL8Vmv/?lang=pt. Acesso em: 13 jan. 2022.

FERNANDES, R.; GREMAUD, A. P. Avaliação educacional em larga escala e accountability. Pesquisa e Debate em Educação, v. 10, n. 1, p. 1103-1137, jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/RPDE/article/view/32023. Acesso em: 10 abr. 2022.

FERREIRA, F. S.; SANTOS, F. A. As estratégias do “Movimento Pela Base” na construção da BNCC: consenso e privatização. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 22, n. 1, p. 189-208, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/14031. Acesso em: 21 fev. 2022.

FREIRE, J. L.; NETTO, M. B. A interlocução entre estado e mercado na elaboração da Base Nacional Comum Curricular. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 12, n. 1, p. 337-347, ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/36877. Acesso em: 17 jan. 2022.

FREITAS, C. D. A reforma empresarial da educação: Nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

HYPOLITO, A. M. JORGE, T. OCDE, PISA e Avaliação em Larga Escala no Brasil: Algumas implicações. Sisyphus: Journal of Education, v. 8, n. 1, p. 10-27, 2020. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7813101. Acesso em: 13 jul. 2021.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: Neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LIMA, M. F. M. Governança, Accountability e Qualidade: Confluência e emergência nas políticas educacionais. ANPAE, 2014. Disponível em: https://anpae.org.br/IBERO_AMERICANO_IV/GT5/GT5_Comunicacao/MariadeFatimaMagalhaesdeLima_GT5_integral.pdf. Acesso em: 03 set. 2021.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: A falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, v. 32, p. 45-68, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/vDGdwyYrj9qbkcgk39vxcyF/abstract/?lang=pt. Acesso em: 02 ago. 2021.

MARINHO, P.; LEITE, C.; FERNANDES, P. “Germe infeccioso” nas culturas escolares: Possibilidades e limites da política de autonomia e flexibilização curricular em Portugal. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 3, p. 923-943, set./dez. 2019. Disponível em: https://www.uniedusul.com.br/wp-content/uploads/2021/02/e-book-educacao-e-ensino-reflexoes-teoricas-e-praticas.pdf. Acesso em: 12 set. 2021.

MEDEIROS, A. K. et al. Estudos sobre accountability no Brasil: Meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de administração, administração pública, ciência política e ciências sociais. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 745–775, jun. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rap/a/kPqPQT38HLbdHB9CzmKkdLC/abstract/?lang=pt. Acesso em: 21 fev. 2022.

MICHETTI, M. Entre a legitimação e a crítica: As disputas acerca da Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 35, n. 102, e3510221, fev. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/7NZC9VwjKWZKMv4SPQmTXPJ/abstract/?lang=pt. Acesso em: 19 nov. 2021.

O’DONNELL, G. Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova, São Paulo, n. 44, p. 27-54, 1998.

PACHECO, J. A. Inovar para mudar a escola. Porto: Porto Editora, 2019.

PERONI, V. M. V. Relação Público-Privado no contexto de Neoconservadorismo no Brasil. Educação & Sociedade, v. 41, e241697, p. 2020, nov. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/gPNy6mbMhQVmfzrqX8tRz4N/abstract/?lang=pt. Acesso em: 23 nov. 2021.

PERONI, V. M. V.; CAETANO, M. R. Redes dentro de redes e as novas alianças entre Estado e mercado. Educere et Educare, v. 15, n. 37, fev. 2020. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/view/24176. Acesso em:22 out. 2021.

ROCHA, N. F. E.; PEREIRA, M. Z. C. A prosopopeia da base nacional comum curricular e a participação docente. Horizontes, v. 36, n. 1, p. 49-63, 30 abr. 2018. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/575. Acesso em: 19 nov. 2021.

ROCHA, N. F. E.; PEREIRA, M. Z. C. Base Nacional Comum Curricular: os discursos sobre a docência. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 203-217, 2019. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/964. Acesso em: 21 set. 2022.

SCHNEIDER, M. P. Dispositivos de accountability na reforma da educação básica brasileira: Tendências em curso. Revista Diálogo Educacional, v. 19, n. 60, p. 469-493, mar. 2019. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/24433. Acesso em: 11 fev. 2022.

SAHLBERG, P. Lições finlandesas 2.0: O que a mudança educacional na Finlândia pode ensinar ao mundo. São Paulo: Sesi-SP Editora, 2018.

SIMIELLI, L. E. R. Coalizões em educação no Brasil: relação com o governo e influência sobre o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 567–586, jun. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rap/a/xTmL6MLcmJHBpjpk6wGw8tf/?format=html. Acesso em: 16 mar. 2021.

SKOCPOL, T. Protecting Soldiers and Mothers: The Political Origins of Social Policy in the United States. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.

TARLAU, R.; MOELLER, K. O consenso por filantropia: Como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Curriculo sem Fronteiras, v. 20, n. 2, p. 553-603, maio 2020. Disponível em: https://pennstate.pure.elsevier.com/en/publications/o-consenso-por-filantropia-como-uma-funda%C3%A7%C3%A3o-privada-estabeleceu-. Acesso em: 27 fev. 2022.

TISATTO, C. A.; BENTO, J. S. Cidadania e neoliberalismo: O capital importa nas políticas públicas de educação? TEXTURA - Revista de Educação e Letras, v. 23, n. 53, p. 359–383, 2021a. Disponível em: http://posgrad.ulbra.br/periodicos/index.php/txra/article/view/5803. Acesso em: 16 fev. 2022.

TISATTO, C. A.; BENTO, J. S. Atores e disputas: A quem interessam as políticas públicas do campo educacional? Revista Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 13, n. 2, p. 766-788, ago. 2021b. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/43326. Acesso em: 06 fev. 2022.

Publicado

2022-06-01

Como Citar

Tisatto, C. A. (2022). Transparências veladas: Os usos econômicos dos sistemas de avaliação de aprendizagem nas políticas de educação. Revista @mbienteeducação, 15(00), e022006. https://doi.org/10.26843/ae.v15i00.1080

Edição

Seção

Artigos Científicos