Conflito escolar, diálogo e mediação de conflitos: interseções e contribuições pós-pandemia

Holdamir Martins Gomes, Vivian da Silva Lobato

Resumo

Este trabalho, que se propõe analítico e interdisciplinar, dispõe sobre a possibilidade da utilização da mediação de conflitos – fomento do exercício dialógico –, como método subsidiário de tratamento dos conflitos oriundos do convívio escolar. É a análise do uso do exercício dialógico como ação afirmativa, possuindo finalidade emancipadora e transformativa. Propõe a difusão de uma mudança cultural nas práticas pedagógicas, com uma metodologia diferenciada de abordagem do conflito, em prol da pacificação e enfrentamento à violência no âmbito escolar. No tocante ao aspecto metodológico, atinente às técnicas, realiza-se uma pesquisa bibliográfica e descritiva, numa abordagem interdisciplinar. Concluindo, como resultado desta atividade, a necessidade da criação de espaços de escuta e diálogo, como alternativa para a pacificação na escola contemporânea.

Palavras-chave

Cultura escolar; Violência escolar; Mediação; Diálogo

Texto completo:

PDF PDF (English) HTML

Referências

ABRAMOVAY, M. Relações intergeracionais na escola: poder, disciplina e práticas pedagógicas. In: MONTECHIARE, Renata; MEDINA, Gabriel (org.). Juventude e educação: identidades e diretos. São Paulo: FLACSO, 2019.

AQUINO, J. G. A violência escolar e a crise da autoridade docente. Cadernos Cedes, Campinas, v. 19, n. 47, p. 7-19, 1998. DOI: 10.1590/s0101-32621998000400002

ARENDT, H. Crise na Educação. In: ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 7. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2011.

AUBERT, A. et al. Aprendizagem dialógica na sociedade da informação. São Carlos: EdUFSCar, 2018.

BAUMAN, Z. Em busca da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

BELEZA, F. T. Estudar em paz: mediação de conflitos no contexto escolar. Revista Participação, Brasília, v. 20, p. 52-59, 2011.

BUBER, M. M. Eu e tu. São Paulo: Centauro, 2001.

CAMACHO, L. M. Y. As sutilezas das faces da violência nas práticas escolares dos adolescentes. Educ. Pesq., São Paulo, v. 7, n. 1, p. 123-140, jun. 2001.

CECCON, C et al. Conflitos na escola: modos de transformar: dicas para refletir e exemplos de como lidar. São Paulo: Cecip, 2009.

CHARLOT, B. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Revista Sociologias, Porto Alegre, n. 8, jul./dez. 2002.

CHRISPINO, Á. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., v. 15, n. 54, p. 11-28, 2007. ISSN 0104-4036. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362007000100002

CHRISPINO, Á.; DUSI, M. L. H. M. Uma proposta de modelagem de política pública para a redução da violência escolar e promoção da Cultura da Paz. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 61, p. 597-624, out./dez. 2008.

CONCEIÇÃO, A. N.; PEREIRA, A. A.; SOUZA, M. M. G. S. (org.) De repente, uma pandemia: discussões sobre os processos educacionais durante o período de distanciamento social [recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2021.

COSTANTINI, A. Bullying, como combatê-lo: prevenir e enfrentar a violência entre jovens. Trad. Eugênio Vinci de Moraes. São Paulo: Itália Nova Editora, 2004.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC/UNESCO, 1996.

ESCUDERO, J. M. Innovación y desarrollo organizativo de los centros escolares. In: PONENCIA II CONGRESSO INTERUNIVERSITARIO DE ORGANIZACIÓN ESCOLAR, 1992. Actas [...]. Sevilla, 1992.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 42. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 56. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GALVÃO, I. Cenas do cotidiano escolar: conflito sim, violência não. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

GOMES PINTO, R. S. Justiça Restaurativa é possível no Brasil? 2005. In: SLAKMON, C.; DE VITTO, R. C; GOMES PINTO, R. (Orgs.). Justiça Restaurativa. Brasília, DF: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/PNUD, 2005. p. 19-40.

GUIMARÃES, M. R. Educação para a paz: sentidos e dilemas. Caxias do Sul, RS: Educs, 2004.

JARES, X. Educação para a paz: sua teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KROHLING, A. Direitos Humanos Fundamentais: Diálogo intercultural e democracia. São Paulo: Ed. Paulus, 2010.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katál, v. 10, p. 37-45, 2007.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri, SP: Manole, 2005.

MOORE, C. W. O Processo de Mediação: estratégia práticas para resolução de conflitos. Tradução de Magda França Lopes. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MORGADO, C.; OLIVEIRA, I. Mediação em contexto escolar: transformar o conflito em oportunidade. EXEDRA: Revista Cientifica. Publicação Eletrônica Semestral da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra, v. 7, p. 43-58, 2009.

MORIN, E. A via para o futuro da humanidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

MUSZKAT, M. E. Guia prático de mediação de conflitos em famílias e organizações. 3. ed. São Paulo: Summus, 2008.

NUNES, A. O. Como restaurar a paz nas escolas: um guia para educadores. São Paulo: Contexto, 2019.

ORTEGA, R.; DEL REY, R. Estratégias educativas para prevenção das violências. Tradução de Joaquim Ozório. Brasília: UNESCO, UCB, 2002.

PEREIRA, S. M. S. Bullying e suas implicações no ambiente escolar. São Paulo: Paulus, 2011.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SANTOS, B. S. Para uma revolução democrática da justiça. Coimbra: Almedina, 2014.

SICA, L. Justiça Restaurativa e Mediação Penal. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2007.

SÍVERES, L.; LUCENA, J. I. A. L. (org.). Diálogo na perspectiva da fraternidade. Caxias do Sul, RS: Educs, 2021.

SÍVERES, L.; LUCENA, J. I. A. L. (org.). Diálogo: uma perspectiva educacional. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2019.

SÍVERES, L.; NEVES JÚNIOR, I. J.; LUCENA, J. I. A. Diálogos: raízes redes e rodas. In: DRAVET, F. et al. (org.). Transdiciplinaridade e educação do futuro. Brasília: Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade - Universidade Católica de Brasília, 2019.

SPENGLER, F. M. O terceiro e o triângulo conflitivo: o mediador, o conciliador, o juiz e o árbitro. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018.

SPOSITO, M. P. A instituição escolar e a violência. 1998. Disponível em: www.iea.usp.br/observatorios/educacao. Acesso em: 13 dez. 2011.

TARTUCE, F. Mediação de Conflitos Civis. 3. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Método, 2016.

TAVARES, J. Relações Interpessoais em uma escola reflexiva. In: ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e nova racionalidade. São Paulo: Artmed, 2001. p. 31-64.

TUVILLA RAYO, J. Educação em direitos humanos: rumo a uma perspectiva global. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Visualizações do PDF:

418 views


Visualizações do Resumo:

324 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud