Professoras formadoras revelam ações de insubordinação

Tiago Cardoso Silveira, Celi Espasandin Lopes

Resumo

Este artigo objetiva discutir os atos de insubordinação criativa revelados em narrativas de duas professoras de matemática que atuaram como formadoras de professores que ensinam matemática na rede de ensino do estado de São Paulo. Através de suas narrativas procura-se discutir indícios de subversão responsável presentes na trajetória profissional das professoras entrevistadas. Neste estudo, utilizam-se as narrativas como fonte de dados, e sua análise permitiu perceber momentos em que as professoras utilizaram ações criativamente insubordinadas para desenvolver formações que levassem os professores, que ensinam matemática, a pensar de forma crítica e ajudar na elaboração de atividades que pudessem contribuir para aprendizagem de seus alunos.

Palavras-chave

INSUBORDINAÇÃO CRIATIVA; PESQUISA (AUTO)BIOGRÁFICA; PROFESSOR FORMADOR

Texto completo:

PDF

Referências

BARTHES, Roland. The semiotic challenge. Oxford: Basil Blackwell,1993.

D’AMBROSIO, Beatriz Silva; LOPES, Celi Espasandin. Trajetórias profissionais de educadoras matemáticas. Mercado de Letras, Campinas, 2014.

D’AMBROSIO, Beatriz Silva; LOPES, Celi Espasandin. Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n 51, p.1-17, abr. 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUTIERREZ, R. Mathematics teachers using creative insubordination to advocate for student understanding and robust mathematical identities. In: MARTINEZ, M.; CASTRO SUPERFINE, A. (Ed.). Proceedings of the 35th annual meeting of the North American Chapter of the International Group for the Psychology of Mathematics Education. Chicago: University of Illinois at Chicago, 2013. p. 1248-1251.

HUTCHINSON, S. A. Responsible subversion: A study of rule-bending among nurses. Scholarly Inquiry for Nursing Pratice – an International Journal, Nova Iorque, v. 4, n.1, p. 3-17, 1990.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Porto Alegre: Edipucrs, 2010.

PASSEGGI, M. C.; SOUZA, E. C. O movimento (auto)biográfico no Brasil: esboço de suas configurações no campo educacional. Investigación Cualitativa, v. 2, n. 1, p. 6-26, 2017.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE nº 68, de 19 de junho de 2012. Dispõe sobre as ações de acompanhamento, realizadas pelos Professores Coordenadores do Núcleo Pedagógico - PCNPs, nas unidades escolares, e dá providências correlatas. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/68_12.HTM?Time=08/10/2020%2009:22:59 Acesso em: 08 out. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Reorganização da Trajetória Escolar: Classes de Aceleração. 1996. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/13_1996.htm?Time=18/11/2020%2009:43:48


Visualizações do PDF:

42 views


Visualizações do Resumo:

146 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud