Oportunidades do ensino de língua portuguesa em São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/v13.n2.2020.936.p93-116

Palavras-chave:

Oportunidades educacionais. Vulnerabilidade social no território. Ensino. Desigualdade escolar

Resumo

Este trabalho analisa as oportunidades educacionais ofertadas por meio do ensino de Língua Portuguesa no 3º ano dos anos iniciais do fundamental e final do ciclo de alfabetização em uma escola da rede privada de ensino do município de São Paulo, no bairro dos Jardins, considerado um território de baixa vulnerabilidade social, cotejando a análise com estudo feito em escola de território de alta vulnerabilidade, no mesmo município, com os mesmos referenciais teóricos e metodológicos. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa com base em entrevista e protocolo de observação. Nesta pesquisa foi possível observar que na escola-campo, de baixa vulnerabilidade social, há uma boa gestão do tempo de sala de aula, com as aulas observadas mantendo uma adequada estrutura organizacional, com abertura, desenvolvimento e conclusão, conforme indica a literatura. Há um intenso trabalho de produção de escrita por meio da realização de sequências didáticas, atividades relativas à leitura, padrões da escrita e gêneros discursivos quando cotejado com estudo similar realizado em escola de território de alta vulnerabilidade indicando situação diversa na escola dessa localidade, sobretudo no que tange ao ensino da escrita. Esta pesquisa traz indícios de fatores internos à escola que podem estar fazendo diferença entre escolas de diferentes territórios, com vantagens para a escola de contexto mais favorável, indicando que, por meio do ensino, é possível ampliar ou reduzir a desigualdade escolar. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Regina Saltini, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutoranda em Educação (Currículo) pela PUC/SP. Mestrado em Educação pela UNICID (2017). Possui Graduação em Pedagogia pela UNINOVE e em Curso de Bacharel e Licenciatura Plena em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1990). Atualmente é Coordenadora Pedagógica do Departamento de Geografia e professora do Ensino Médio do Colégio Dante Alighieri. 

Vanda Mendes Ribeiro, Unicid

Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unicid e Professora do Programa Formação de Gestores Educacionais da Unicid Mestre pela Unicamp e Doutora pela Feusp

 

 

RESUMO

Este trabalho analisa as oportunidades educacionais ofertadas por meio do ensino de Língua

Referências

ALVES, L. et al. Remoção de professores e desigualdades em territórios vulneráveis. Cadernos Cenpec, v. 4, n. 2, jun. 2014.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BATISTA, A. A G. Aula de português: discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 16 out. 2014.

______. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf >. Acesso em: 28 nov. 2016.

______. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 2001.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004. 315 p.

______. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: currículo na alfabetização: concepções e princípios. Ano 1. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2012. Disponível em: <http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/Ano_1_Unidade_1_MIOLO.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2016.

______. Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA): documento básico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013.

______. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html>. Acesso em: 12 out. 2014

______. Ministério da Educação. O Plano Nacional de Educação (2014/2024) em movimento. Disponível em: <http://pne.mec.gov.br/>. Acesso em: 12 out. 2015.

BRECHES, B. Formação continuada em uma escola de território vulnerável do município de São Paulo. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) ? Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BROOKE, N.; SOARES, J. F. (Org.). Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008. p. 335-382.

CARNOY, M. A vantagem acadêmica de Cuba: porque seus alunos vão melhor na escola. São Paulo: Ediouro e Fundação Lemann, 2009.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Madri: Aique, 1997.

COLEMAN, J. S. et al. Equality of educational opportunity (summary report). Washington, D. C.: Office of Education, U.S. Department of Health, Education and Welfare, 1966.

COLOMER, T.; CAMPS, A. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Tradução Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

? RNICA, M.; BATISTA, A. A. G. A escola, a metrópole e a vizinhança. Cadernos de Pesquisas, v. 42, n. 146, p. 640-666, maio/ago. 2012.

FUNDA? ? O SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS (SEADE). Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (principais resultados). 2010. Disponível em: <http://indicesilp.al.sp.gov.br/view/pdf/ipvs/principais_resultados.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2016.

______. Vulnerabilidade Social do Município de São Paulo (texto completo). 2010. Disponível em: <http://indices-ilp.al.sp.gov.br/view/pdf/ipvs/mun3550308.pdf>. Acesso em : 24 abr. 2016.

______. Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (metodologia). 2013. Disponível em: <http://indices-ilp.al.sp.gov.br/view/pdf/ipvs/metodologia.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2016.

FURLANETTO, E. C. A sala de aula e seus símbolos. São Paulo: Ícone, 2006.

GOBIERNO DE CHILE. Qué es el SIMCE? Agencia de Calidad de la Educación, 2015. Disponível em: <http://www.agenciaeducacion.cl/simce/que-es-el-simce/>. Acesso em: 8 mar. 2015.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, mar./abr. 1995.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004. Disponível em: <http://www.ufjf.br/labesc/files/2012/03/A-Arte-de-Pesquisar-Mirian-Goldenberg.pdf>. Acesso em: 14 set. 2016.

KAZTMAN, R. Notas sobre la medición de la vulnerabilidad social. 2000. Disponível em: <http://www.cepal.org/deype/mecovi/docs/taller5/24.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2016.

______. Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos. Revista de la CEPAL, Chile, n. 75, p. 171-18, dec. 2001.

LERNER, D. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Tradução Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MARCUCCI, F. A educação nas grandes metrópoles: ensino de língua portuguesa em São Miguel Paulista. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências) ? Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2015.

MARTINIC, S. El tempo y el aprendizage escolar: la experiencia de la extensión de la jornada escolar en Chile. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 61, abr./jun. 2015.

__________MARTINIC, VERGARA, C.; HUEPE, D. Uso del tiempo e interacciones en sala de clases: un estudio de casos en Chile. Revista Pro-Posições, v. 24, n. 70. p. 123-135, jan./abr. 2013.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) ? Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

______. Leitura, produção de textos e a escola: reflexões sobre o processo de letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2000.

RIBEIRO, C. A. C. Desigualdade de oportunidades e resultados educacionais no Brasil. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, n. 1, p. 41-87, 2011.

SCHNEUWLY, B. L? objet enseigné. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Org.). Des objets enseignés en classe de français ? Le travail de l? enseignant sur la réda tion de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2009. p. 17-28. (Tradução Sandoval Nonato Gomes Santos. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2011). [Uso restrito].

______. Pour un enseignement de l? oral: iniciation au genres formels à l? école. Paris. ESF éditeur, 1998.

SOUZA, R. L. de. Repositórios de objetos de aprendizagem de língua portuguesa no ensino fundamental: alternativas para professores. 2015. Dissertação em Linguagens e Letramento. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2015.

TORRES, H. et al. Educação na periferia de São Paulo: como pensar as desigualdades educacionais? In: RIBEIRO, L. C. de Q.; KAZTMAN, R. (Org.). A cidade contra a escola: segregação urbana e desigualdades educacionais em grandes cidades da América Latina. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2008.

______. Perfis do professorado da rede pública de São Paulo: a interação entre espaço, regras institucionais e escolhas individuais no resultado de uma política pública. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 1, p. 125-158, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-01

Como Citar

SALTINI, M. R.; RIBEIRO, V. M. Oportunidades do ensino de língua portuguesa em São Paulo. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 93–116, 2020. DOI: 10.26843/v13.n2.2020.936.p93-116. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/936. Acesso em: 27 maio. 2024.