Letramento cartográfico do pedagogo: uma análise curricular de um curso superior de pedagogia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/v13.n2.2020.912.p253-277

Palavras-chave:

Letramento. Cartografia. Currículo. Pedagogia.

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar o que propõe o currículo do curso de Pedagogia de uma universidade estadual em relação ao letramento cartográfico do pedagogo. Adota-se uma abordagem qualitativa e utiliza-se dos procedimentos pesquisa bibliográfica e documental. Ao todo, foi possível analisar 89 componentes curriculares que integram o referido curso. Dentre os achados, constatou-se uma invisibilidade da Cartografia no currículo, além de uma formação geográfica ínfima correspondendo a menos de 5% da carga horária total do curso, o que leva a concluir que a formação curricular, nessa Universidade, carece de um viés cartográfico associado às contribuições propiciadas pelos novos estudos do letramento.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Cardoso Alves, Universidade do Estado de Minas Gerais e Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Educação pela FaE/UFMG; Mestre em Ciências Ambientais, Especialista em Análise do Espaço Geográfico e Licenciado em Geografia pela UESB/BA; Professor adjunto da FaE/UEMG.

Isabel Cristina Alves da Silva Frade, Universidade Federal de Minas Gerais

possui doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000) e pós doutorado pela FE/USP /Brasil e Institut National de Recherche Pédagogique/França (2006/2007) e pela UDESC/SC (2011/2012).Professora titular da FAE/UFMG, atuando na Pós-Graduação, graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1980), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993).

Referências

ALMEIDA, R. D. de; PASSINI, E. Y. O espaço geográfico: ensino e representação. 7. ed. São Paulo: Contexto, 1999.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.Associados, 1985.

BARTON, D. Literacy: an introduction to the ecology of written language. 2nd ed. Oxford: Blackwell, 2007.KRESS, Gunther. Literacy in the new media age. London: Routledge, 2007.

BERTIN, J. Teste de base da representação gráfica. Tradução Antônio Teixeira Neto. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, 42 (1): jan-mar, 1980, p. 160-182

BICALHO, D. C. Leitura. In: FRADE, I. C. A. S; VAL, M. da G. C. G; BREGUNCI, M. das G. C. Glossário Ceale de termos de Alfabetização, leitura e escrita par educadores. Belo Horizonte, CEALE/Faculdade de Educação da UFMG. 2014. Disponível em: htttp://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/ verbetes/leitura. Acesso em: 18 abr. 2019.

BOGDAN, R.; B. S. K. Investigação Qualitativa em Educação ? uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CARVALHO, F. F. Os significados composicionais e a formação de subjetividades na primeira página de jornais mineiros: um estudo de caso à luz da gramática do design visual. 2007. 124 p. Dissertação (Pós-graduação em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP/ Imprensa Oficial do Estado, 1999.

COSCARELLI, C. V. Textos versus hipertextos na teoria e na prática. In: COSCARELLI, C. V. (Org.) Hipertextos na teoria e na prática. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CRAMPTON, J. W.; KRYGIER, J. An introduction to critical cartography. ACME: An international e-journal for critical geographies, v. 4, n.1, 2006, p.11-33.

DIONÍSIO, A. P.; VASCONCELOS, L. J. de. Multimodalidade, gênero textual e leitura. In: BUNZEN, C.; MENDON? A, M. (Orgs.) Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

FERREIRO, E. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez/Autores, 1985.

FISCHER, S. R. História da Leitura. Trad. Claudia Freire. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

FRADE, I. C. A. S. Alfabetização digital. In: VAL, M. da G. C. G; BREGUNCI, M. das G. C. Glossário Ceale de termos de Alfabetização, leitura e escrita par educadores. Belo Horizonte, CEALE/Faculdade de Educação da UFMG. 2014. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/referencia/frade-i-c-a-s-alfabetizacao-digital-problematizacao-do-conceito-e-possiveis-relacoes-com-a-pedagogia-e-com-aprendizagem-inicial-do-sistema-de-escrita-in-coscarelli-c-e-ribeiro-e-orgs-letramento-digital-aspectos-sociais-e-possibilidades-pedagogicas-belo-horizonte-autentica-2005. Acesso em: 18 abr. 2019.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo, Autores Associados: Cortez, 1989.

GATTI, B. A. Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas / Bernardete A. Gatti; Marina Muniz R. NUNES (orgs.) são Paulo: FCC/DPE, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ªed. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Lei nº. 11.539, de 22 de julho de 1994. Dispõe sobre a Universidade do Estado de Minas Gerais ? UEMG ? e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/ completa/completa-nova- min.html? tipo=LEI&num=11539&comp=&ano=1994&texto=original. Acesso em: 05 jun. 2019.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. 2.ed. ? São Paulo: Aleph, 2009.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KRESS, G; BEZEMER, J. Escribir en un mundo de representación multimodal. In: KALMAN e STREET (Coord.) Lectura, escritura e matemáticas: Diálogos com a América Latina. México: single XXI, 2009.

MANEVY, A. Política da Cultura Digital. In: SAVAZONI, R.; CONH, S. (Org.). Cultura digital.br. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

MOREIRA, R. Pensar e Ser em geografia. São Paulo: Contexto, 2007.

PARAÍSO, M. A. Diferença no Currículo. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.140, p. 587-604, maio/ago. 2010.

PINTO, A. V. O conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

RAFFESTIN, C. Repères pour une théorie de la territorialité humaine. Cahier/Groupe Réseaux, (7), 1987.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SIMIELLI, M. E. R. Cartografia no ensino fundamental e médio. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.) A Geografia na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

STREET, B. Eventos de letramento e práticas de letramento: teoria e prática nos Novos Estudos do Letramento. In: MAGALH? ES, I. (Org.) Discursos e práticas de letramento: Pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG. Plano de Desenvolvimento Institucional. Disponível em: http://intranet.uemg.br/comunicacao/arquivos/PDI_final_site.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Graduação. Projeto Pedagógico do Curso presencial de Pedagogia da FaE/UEMG, 2008. Disponível em: http://www.uemg.br/graduacao/cursos2/course/pedagogia. Acesso em: 14 dez. 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-01

Como Citar

ALVES, D. C.; FRADE, I. C. A. da S. Letramento cartográfico do pedagogo: uma análise curricular de um curso superior de pedagogia. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 253–277, 2020. DOI: 10.26843/v13.n2.2020.912.p253-277. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/912. Acesso em: 23 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)