Uma perspectiva educacional histórico-crítica na educação permanente em saúde

Autores

  • Eric Ferdinando Kanai Passone Universidade Cidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.26843/v12.n3.2019.773.p132-153

Palavras-chave:

EDUCA? ? O PERMANENTE, EDUCA? ? O PERMANENTE EM SA? DE, PEDAGOGIA HIST? RICO-CRÍTICA, EDUCA? ? O E SA? DE

Resumo

A partir de uma leitura crítica acerca da noção de

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eric Ferdinando Kanai Passone, Universidade Cidade de São Paulo

Pos-Graduação em Educação e Gestão Educaional

Referências

AROUCA, Lucila S. O Discurso Sobre A Educação Permanente (1960-1983). Revista Pro-posições, Campinas, v. 7, n.2, p. 65-78. (1997)

BANDEIRA, Belkis S., OLIVEIRA, Avelino da Rosa. Formação cultural e semiformação: contribuições de Theodor Adorno para pensar a educação hoje. Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 225-232, maio/agosto, 2012.

BASSO, Itacy S. Significado e sentido no trabalho docente. Cadernos CEDES, Campinas, v. 19, n. 44, p. 19-33, 1998.

BRASIL. Portaria n. 198 GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 16 fev. 2004. Seção 1, p. 37-41.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da República Fe-derativa do Brasil, Brasília, 5 jan. 1988. p. 1, anexo. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2018.

Brasil. (2007) Portaria n. 1.996 GM/MS, de 20 de agosto de 2007. Política Nacional de Edu-cação Permanente em Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília.

CAMPOS, Francisco E; BELISÁRIO, Soraya A. O Programa de Saúde da Família e os desa-fios para a formação profissional e a educação continuada. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 9, p. 133-141, 2001.

CECCIM, Ricardo B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Inter-face: Comunicação, Saúde, Educação, v. 9, n. 16, p. 161-177, 2005.

CECCIM, Ricardo, FEURWERKER, Laura C. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis ? Revista de Saúde Coletiva, v. 14, n.1, p. 41-66, 2004.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 8. Ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF, MEC, UNESCO, 2003.

DONATO, Ausonia F. Algumas considerações sobre tendências pedagógicas e educação e saúde. Formação dos Trabalhadores para o SUS. Boletim do Instituto de Saúde, v. 48, p. 5-15, 2009.

FAURE, Edgar. et al. Aprender a ser: la education del futuro. Alianza, Unesco, 1973.

FURTER, Pierre. Educação e vida. Petrópolis-Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. São Paulo: Cortez, 2003.

GADOTTI, Moacir. Educação popular e educação ao longo da vida. Documento para a CONFITEA ? BRASIL + 6, São Paulo, 2016. GADOTTI, Moacir. Disponível em: https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Educacao_Popular_e_ELV_Gadotti.pdf Acesso em: 10 fev 2019.

GIGANTE, Renata L.; CAMPOS, Gastão W. S. Política de Formação e Educação Permanen-te em Saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, n.3, p. 747-763, 2016.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Ed. Vozes, Petrópolis, 1977.

KONDER, Leandro. O Futuro da Filosofia da Práxis: o pensamento de Marx no século XXI. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.

LAPASSAFE, Georges. L? entrèe dans la vie: essai sur l? inachèvement de l? homme. Paris: UGE, 1995.

LAMBERT, Ernâni. Educação Permanente: limites e possibilidades no contexto da América Latina e Caribe. Revista do Programa de Pós-Graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina, v. 6, nº 5, p. 1-13, 2005.

LAVRAS, Carmen. Atenção Primária à Saúde e a Organização de Redes Regionais de Atenção à Saúde no Brasil. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.20, n.4, p.867-874, 2011.

MENDES, Durmeval T. Um novo mundo, uma nova educação. Revista Brasileira de Estu-dos Pedagógicos, 51(113), 1969.

MITRE, Sandra. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissi-onal em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, dez., 2008.

N? VOA, Antonio. Educação 2021: Para uma história do futuro. Revista Iberoamericana de educación, Madrid, nº 49, pp. 181-199, 2009.

NEPP (N? CLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS P? BLICAS). Universidade Estadual de Campinas. Relatório final:Elaboração do Plano de Educação Permanente da Atenção Básica à Saúde. Campinas, 2012.

OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde). Educación permanente de personal de salud en la región de las américas. Serie de desarrrolo de recursos humanos, Washington, nº 78, 1998.

PAIM, Jairnilson S. O que é SUS. Rio de Janeiro: Editora. Fiocruz, 2009.

RIBEIRO, Eliana C. O.; MOTTA, José I. J. Educação permanente como estratégia na reorga-nização dos serviços de saúde. Divulgação em Saúde para Debate, Londrina, v. 12, p. 39-44, 1996.

ROVERE, Mario R. Gestion estratégica de la educacion permanente en salud. In: HADDAD, Jorge et al (orgs.). Educación Permanente de Personal de Salud. Washington: Organizacion Panamericana de la Salud. Série Desarrollo de Recursos Humanos, v. 100, p. 63-106, 1994.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente as novas tecnologias. (s.d.) Disponível em:

http://www.ufpr.cleveron.com.br/arquivos/EP_104/dermeval_saviani.pdf Acesso em 10 abr. de 2017.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11.ed.rev.? Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1983.

VÁZQUEZ, Adolfo S. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-09-06

Como Citar

PASSONE, E. F. K. Uma perspectiva educacional histórico-crítica na educação permanente em saúde. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 132–153, 2019. DOI: 10.26843/v12.n3.2019.773.p132-153. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/773. Acesso em: 14 jun. 2024.