Trabalho docente no campo: análise dos processos e características da atividade dos professores de educação especial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/v12.n3.2019.742.p39-51

Palavras-chave:

Educação do campo, Educação Especial, Trabalho docente.

Resumo

Este artigo teve como objetivo central descrever as condições dos processos pedagógicos e características da atividade do trabalho dos professores de Educação Especial que atuam em Salas de Recursos Multifuncionais nas escolas do campo dos municípios pertencentes a região do Piemonte da Diamantina, Bahia. Os onze docentes que aceitaram participar do estudo se enquadravam no seguinte critério: que tenham atuado no ano de 2017 com Educação Especial em Sala de Recursos Multifuncionais de escolas da zona rural de um dos nove municípios investigados nesta pesquisa. Os resultados indicaram que a maioria dos docentes participantes do estudo atuam com uma grande quantidade de alunos, inclusive com necessidades e/ou deficiências completamente distintas, ainda mais levando em conta que a maior parte tem uma carga horária de trabalho de apenas 20 horas semanais. Além disso, eles afirmaram adaptar os currículos de acordo com as necessidades de todos os seus alunos. Essas condições acabam por exigir do docente um aumento do seu trabalho, explicado na resposta da maioria dos professores que disseram que levam atividades laborais para realizar em casa, o que significa praticamente um turno a mais de trabalho não remunerado e não regulamentado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osni Oliveira Noberto da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Mestre e Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Departamento de Ciências Humanas, Campus IV, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Líder do Grupo de estudos, pesquisa e extensão em Educação Especial e Educação Física adaptada (GEPEFA) e integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Theresinha Guimarães Miranda, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorado pela Umeå University, Suécia. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Miguel Angel Garcia Bordas, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Filosofia pela Universidad Complutense de Madrid, com pós-doutorado pela Universitat Autònoma de Barcelona, Espanha. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Referências

ALVES, Denise de Oliveira; GOTTI, Marlene de Oliveira; GRIBOSKI, Claudia Maffini; DUTRA, Claudia Pereira. Sala de recursos multifuncionais: espaços para atendimento educacional especializado. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

ARA? JO, José Júlio César do Nascimento; SOUZA, José Valderí Farias de. O trabalho docente na educação do campo. Revista ESPACIOS. Vol. 38 (Nº 30) Año 2017.

AZEVEDO, Marcio Adriano; SANTOS, Shilton Roque dos. O Pronatec campo e o contexto do campo e da educação do campo no Brasil. Revista debates insubmissos, Caruaru, PE. Brasil, Ano 1, v.1, nº 3, set/dez. 2018.

BAHIA. Diretrizes da educação inclusiva no estado da Bahia: (pessoas com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação). Secretaria da educação do estado da Bahia. Salvador. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n.º 4, de 02 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: SEESP, 2009.

CUNHA, Denise de Souza. Distúrbios vocais, estresse e condições de trabalho e associação entre o tempo máximo de fonação e a regulação autonômica cardíaca em professores de Educação Física do ensino fundamental de escolas públicas de Marília. 2013, 81 p. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) Universidade Estadual Paulista, Marília.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/IBGE. Cidades. Em: http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/home-cidades. Acessado em 15 de janeiro de 2019.

MELO, Geisiane Candida de. Inclusão escolar no cotidiano do ciclo de alfabetização: o olhar dos professores sobre seus desdobramentos no processo ensino-aprendizagem. 2015, 81 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar) Universidade de Brasília, Brasília.

MENDES, Enicéia Gonçalves et al. Professores de educação especial e a perspectiva da inclusão escolar: uma nova proposta de formação. In: MENDES E. G.; ALMEIDA, M. (Org.). Das margens ao centro: perspectivas para as políticas e práticas educacionais no contexto da educação especial inclusiva. Araraquara: Junqueira & Marin, 2010. p. 61-78.

PASIAN, Mara Silvia; MENDES, Enicéia Gonçalves; CIA, Fabiana. Atendimento educacional especializado: aspectos da formação do professor. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 47, n. 165, p. 964-981, Sept. 2017.

RIOS, Jane Adriana Vasconcelos Pacheco. Diversidade, narrativas e trabalho docente na roça. In: LOPES, Amélia; CAVALCANTE, Maria Auxiliadora da Silva; OLIVEIRA, Dalila Andrade; HYP? LITO, Álvaro Moreira (Orgs.) Trabalho Docente e Formação: Políticas, Práticas e Investigação: Pontes para a mudança. Anais do II Encontro Luso Brasileiro, novembro de 2013, Porto, Portugal. Porto: Centro de Investigação e Intervenção Educativas. (pp. 4364-4374).

SANTOS, Sueli Souza dos; HERNANDEZ, Aline Reis Calvo; PERES, Amanda Grasiela da Luz. Educação inclusiva: dificuldades entre discurso e prática no cotidiano das escolas. revista entreideias, Salvador, v. 4, n. 1, p. 201-217, jan./jun. 2015.

SILVA, Maria do Socorro. O Movimento da Educação do Campo no Brasil e seu diálogo com a educação popular e a pedagogia decolonial. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v. 13, n. 34, p. 77-94, maio/ago. 2018.

SILVA, Fernanda Aparecida Oliveira. As intercorrências da precarização do trabalho docente na saúde de professores do Ensino médio. 2017. 68f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia). Universidade Federal de Uberlândia, 2017.

SILVA; Renata Maldonado, RIBEIRO, Luana Leal. Permanências do modelo médico nos discursos dos professores da Educação Especial. Revista Educação, Artes e Inclusão. v. 13, n. 1, Jan ? Abr, 2017. Pp. 141-166.

SILVA, Regisnei Aparecido Oliveira; GUILLO, Lídia Andreu. Trabalho docente e saúde: um estudo com professores da educação básica do sudoeste goiano. Itinerarius Reflectionis, v. 11, n. 2, 20 dez. 2015.

TEIXEIRA, Fernanda Cascaes. Processos comportamentais constituintes de interações de professores e de alunos com jovens com síndrome de down no sistema das organizações de ensino regular. 183 p. 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

TOSTES, Maiza Vaz et al. Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 116, p. 87-99, Jan. 2018.

UNESCO. Declaração de Salamanca: Sobre princípios, políticas e práticas na área as necessidades educativas especiais. Salamanca ? Espanha, 1994.

VASQUES-MENEZES, I.; CODO, W.; MEDEIROS, L. O conflito entre o trabalho e a família e o sofrimento psíquico. In: CODO, W. (coord.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 1999.

ZANATO, Caroline Borges; GIMENEZ, Roberto. Educação Inclusiva: um olhar sobre as adaptações curriculares. Revista @mbienteeducação, v. 10, n. 2, p. 289 - 303, jul. 2017.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-09-06

Como Citar

SILVA, O. O. N. da; MIRANDA, T. G.; BORDAS, M. A. G. Trabalho docente no campo: análise dos processos e características da atividade dos professores de educação especial. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 39–51, 2019. DOI: 10.26843/v12.n3.2019.742.p39-51. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/742. Acesso em: 18 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)