Infâncias em diários de formação estética: narrativas de estudantes de pedagogia e de arte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/v12.n2.2019.710.p164-180

Palavras-chave:

NARRATIVAS AUTOBIOGRÁFICAS, MEM? RIAS DE INF? NCIA, FORMA? ? O EST? TICA, FORMA? ? O DOCENTE.

Resumo

Este artigo apresenta dados de uma pesquisa interinstitucional que teve por objetivo mapear percursos de formação estética de licenciandos de Pedagogia e de Arte de duas universidades públicas brasileiras. Recorrendo à proposta inspiradora dos ateliês biográficos e aos princípios do ateliê de arte, metodologicamente centrou atenção na ação do rememorar por meio de diferentes linguagens expressivas (pintura, recorte-colagem, desenho, música, dança, entre outros), além da palavra. Um diário de memórias e miudezas foi proposto como suporte para abrigar narrativas textuais e imagéticas no decorrer dos encontros-ateliês. Na leitura dos diários, foram identificadas narrativas da infância que enunciam, entre encontros e desencontros, paisagens e percursos trilhados pelos licenciandos na jornada de fazer-se pessoa; no campo da sensibilidade, dão a conhecer rotas, em meio à natureza, à família e à escola, pelas quais as oportunidades de criação e os sentidos foram aguçados ou reprimidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Esmeralda Ostetto, Universidade Federal Fluminense

Professora do Departamento de Sociedade, Educação e Conhecimento, da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense.

Rosvita Kolb Bernardes, Professora da Universidade Federal de Minas Gerais

Professora da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Artes Visuais

Referências

ALBANO, A. A. O espaço do desenho: a educação do educador. 9. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

BARROS, M. de. Tratado geral das grandezas do ínfimo. Rio de Janeiro: Record, 2009.

BARROS, J. M. Sobre panos, bordados e memórias. In: CRAVEIRO, F. Escrituras bordadas. Belo Horizonte: CI Arte Editora, 2008. p. 37-47.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BERNARDES, R. K. Tornar visíveis práticas invisíveis de professoras de arte. 2011. 183 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

CAO, M. L. F. Lugar do outro na educação artística: olhar como eixo articulador da experiência: uma proposta didática. In: BARBOSA, A. M. (Org.) Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005. p. 187-226.

DELORY-MOMBERGER, C. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projetos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 359-371, ago. 2006.

FORMENTI, L. La storia che educa: contesti, metodi, procedure dell? autobiografia educativa. Rivista Adultità, Milano, n. 4, p. 83-100, out. 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GALEFFI, D. A. Educação estética como atitude sensível transdisciplinar: o aprender a ser o que se é propriamente. Em Aberto, Brasília, v. 21, n. 77, p. 97-111, jun. 2007.

GOODSON, I. A arte de contar a própria história. Pátio Revista, Porto Alegre, n. 43, p. 20-21, ago./out. 2007.

HARLAN, V.; RAPPMANN, R.; SCHATA, P. Soziale Plastik: Materialen zu Joseph Beuys. Achberg: Achberger Verlag, 1976.

JOSSO, M.-C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, M.-C. As figuras de ligação nos relatos de formação: ligações formadoras, deformadoras e transformadoras. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 373-383, maio/ago. 2006.

JUNG, C. G. O desenvolvimento da personalidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

KENSKI, V. M. Sobre o conceito de memória. In: FAZENDA, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 5. ed. Campinas: Papirus, 2004. p. 137-159.

OSTETTO, L. E. Na jornada de formação: tocar o arquétipo do mestre-aprendiz. Pro-Posições, Campinas, v. 18, n. 3 (54), p. 195-210, set./dez. 2007.

OSTETTO, L. E. (Org.). Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2008.

OSTETTO, L. E. Fazer à mão para falar de si. In: MONTEIRO, F. de A.; NACARATO, A. M.; FONTOURA, H. A. da. (Orgs.). Narrativas docentes, memórias e formação. Curitiba: CRV, 2016. p. 143-159.

OSTETTO, L. E.; BERNARDES, R. K. Modos de falar de si: a dimensão estética nas narrativas autobiográficas. Pro-Posições, Campinas, v. 26, n. 1(76), p. 161-178, jan./abr. 2015.

OSTETTO, L. E.; BERNARDES, R. K. Espaços de formação docente: memórias e narrativas estéticas. Projeto de pesquisa. Universidade Federal Fluminense/Universidade Federal de Minas Gerais, 2016. (Digitado).

QUEIR? S, B. C. de. Minerações. Belo Horizonte: RHJ, 1991.

RICHTER, I. M. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

SCHOLZE, L. Narrativas de si e a possibilidade de ressignificação da experiência. In: PASSEGGI. M. C.; BARBOSA, T. M. N. (Orgs.). Narrativas de formação e saberes biográficos. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

SILVEIRA, P. A página violada: da ternura à injúria na construção do livro de artista. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

VECCHI, V. Arte y creatividad en Reggio Emilia: el papel de los talleres y sus possibilidades en educación infantil. Madrid: Ediciones Morata, 2013.

WARSCHAUER, C. A roda e o registro: uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1993.

Downloads

Publicado

2019-04-30

Como Citar

OSTETTO, L. E.; BERNARDES, R. K. Infâncias em diários de formação estética: narrativas de estudantes de pedagogia e de arte. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 164–180, 2019. DOI: 10.26843/v12.n2.2019.710.p164-180. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/710. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Narrar a infância, narrar a juventude: educação, espaços, saúde e artes