Quais os comentários negativos e estratégias de enfrentamento mais comuns e eficazes na plataforma digital Youtube?

Autores

  • Bárbara Moreira Xavier Universidade de Lisboa
  • Beatriz Carvalho Universidade de Lisboa
  • Inês Mateus Universidade de Lisboa
  • Maria Catarina Luis Guerreiro Universidade de Lisboa
  • Sidclay Bezerra de Souza Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.26843/v11.n2.2018.617.p227%20-%20239

Palavras-chave:

Cyberbullying, Youtube, Estratégias de enfrentamento, Comentários negativos.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo compreender qual a tipologia de comentário negativo mais comum nos comentários referentes a vídeos postados na plataforma YouTube, bem como as tipologias de estratégias de enfrentamento utilizadas pelos autores dos vídeos integrantes nesta plataforma. A investigação analisa quatro vídeos identificados como

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMADO, J. Manual de Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

BRACK, K.; CALTABIANO, N. Cyberbullying and self-esteem in Australian adults. Cyberpsychology: Journal of Psychosocial Research on Cyberspace, v. 8, n. 2, p. 1 -10, 2014. http://dx.doi.org/10.5817/CP2014-2-7

CAETANO, A. P.; FREIRE, I.; VEIGA SIM? O, A. M.; MARTINS, M. J. D.; PESSOA, M. T. Emoções no cyberbullying: um estudo com adolescentes portugueses. Revista Educação e Pesquisa, v. 42, n. 1, p. 199-212, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1517- 9702201603138125

CAMPBELL, M. A.; SLEE, P. T.; SPEARS, B.; BUTLER, D.; KIFT, S. Do cyberbullies suffer too? Cyberbullies? perceptions of the harm they cause to others and to their own mental health. School Psychology International, v. 34, n. 6, p. 613-629, 2013. doi: 10.1177/0143034313479698

CASTA? O, E.F.; BARCO, B. L. Estrategias de afrontamiento del estrés y estilos de conducta interpersonal. International Journal of Psychology and Psychological Therapy, v. 10, n. 2, p. 245-257, 2010.

CAPPADOCIA, M. C.; CRAIG, W. M.; PEPLER, D. (2013). Cyberbullying prevalence, stability, and risk factors during adolescence. Canadian Journal of School Psychology, v. 28, n. 2, p. 171-192, 2013. doi: 10.1177/0829573513491212

CASTILHO, A. E. (2010). Estudio descriptivo de las estrategias de afrontamiento del bullying, en professorado mexicano. Electronic Journal of Research in Educational Phychology, v. 8, n. 1, p. 353-372, 2010.

DINAKAR, K.; REICHART, R.; LIEBERMAN, H. Modeling the detection of Textual Cyberbullying. The Social Mobile Web, v. 11, n. 02, p. 11-17, 2011.

FAUCHER, C.; JACKSON, M.; CASSIDY, W. Cyberbullying among university students: Gendered experiences, impacts, and perspectives. Education Research International, v. 2014, p. 1-10, 2014. http://dx.doi.org/10.1155/2014/698545

MASCARENHAS, S. A. N.; MARTINEZ, J. M. A. Ocorrência do bullying/cyberbulling como desrespeito à diversidade e à cidadania no contexto universitário amazônico. Revista EDUCAmazônia, v. 8, n 1, p. 150-161, 2012.

NIXON, C. L. Current perspectives: the impact of cyberbullying on adolescent health. Adolescent Health, Medicine and Therapeutics, v. 5, p. 143-158, 2014.

OLWEUS, D. Cyberbullying: An overrated phenomenon?. European Journal of Developmental Psychology, v. 9, n. 5, p. 520-538, 2012.

SCHENK, A. M.; FREMOUW, W. J. Prevalence, psychological impact, and coping of cyberbully victims among college students. Journal of School Violence, v. 11, n. 1, p. 21-37, 2012.

SILVA, J. L.; MASCARENHAS, S. A. N. Gestão do bullying e cyberbullying na universidade ? Desafios para a orientação educativa e convivência social e ética no ensino superior ? Estudo com estudantes da UFAM/Brasil. Revista AMAzônica, v. 5, n. 2, p. 46-55, 2010.

SLONJE, R.; SMITH, P. K. Cyberbullying: Another main type of bullying?. Scandinavian journal of psychology, v. 49, n. 2, p. 147-154, 2008. doi: 10.1111/j.1467- -9450.2007.00611.x

SOUZA, S. B. Cyberbullying: Estudo exploratório sobre as perspectivas acerca do fenómeno e das estratégias de enfrentamento com jovens universitários portugueses. (Tese de mestrado não publicada). Faculdade de Psicologia - Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2011.

SOUZA, S. B.; VEIGA SIM? O, A. M. (2017). Clima universitário e cyberbullying: um estudo com estudantes do Brasil e Portugal. SOUZA, S. B.; VEIGA SIM? O, A. M.; CAETANO, A. P. Cyberbullying: Percepções acerca do Fenômeno e das Estratégias de Enfrentamento. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 27, n. 3, p. 582-590, 2014a. doi: 10.1590/1678-7153.201427320

SOUZA, S. B.; VEIGA SIM? O, A. M.; FRANCISCO, S. M. (2014). Cyberbullying: incidência, consequências e contributos para o diagnóstico no ensino superior. YBARRA, M. L.; MITCHELL, K. J. Online aggressor/targets, aggressors, and targets: A comparison of associated youth characteristics. Journal of child Psychology and Psychiatry, v. 45, n. 7, p. 1308-1316, 2004. doi: 10.1111/j.1469-7610.2004.00328.x

Downloads

Publicado

2018-05-01

Como Citar

XAVIER, B. M.; CARVALHO, B.; MATEUS, I.; GUERREIRO, M. C. L.; DE SOUZA, S. B. Quais os comentários negativos e estratégias de enfrentamento mais comuns e eficazes na plataforma digital Youtube?. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 227–239, 2018. DOI: 10.26843/v11.n2.2018.617.p227 - 239. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/617. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos