A ludicidade e a criança: (des)arranjos no Ensino Fundamental de nove anos

Autores

  • Nair Correia Salgado de Azevedo Prefeitura Municipal de Presidente Prudente,
  • Mauro Betti
  • José Milton de Lima

DOI:

https://doi.org/10.26843/v3.n1.2010.169.p93%20-%20103

Palavras-chave:

Ensino Fundamental, infância, ludicidade

Resumo

Resumo

A antecipação do início do Ensino Fundamental para as crianças de seis anos, imposta recentemente pela legislação federal brasileira, gerou polêmicas e debates sobre a organização do currículo, rotinas, conteúdos e atividades, espaços e objetos, condutas dos professores e familiares, bem como sobre as políticas de formação de professores, dentre outros temas. O presente artigo, apoiado em avanços da produção científica sobre a educação formal das crianças, considera que são necessárias mudanças nas concepções de educação para a infância, e, consequentemente, nas práticas curriculares. Para tanto, toma o jogo e a brincadeira como objeto de análise e discussão, e propõe a ludicidade como eixo curricular central nos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Palavras-chave: Ensino Fundamental; Infância; Ludicidade.

The playfulness and the child: (dis)arrangements in Elementary Education of nine-year-olds

Abstract

The anticipation of the beginning of Elementary School for six-year-old children, recently imposed by the Brazilian federal law, brought controversies and debates about the organization of the curriculum, routines, contents and activities, spaces and objects, conduct of behavior of teachers and parents, as well as about the policies of teachers

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOVICZ, A.; LECVOVITZ, D.; RODRIGUES, T. C. Infâncias em educação infantil. Proposições, Campinas, v. 20, n. 3, p. 179-197, set./dez. 2009.

ANNING, A. O brincar e o currículo oficial. De volta ao básico: uma visão alternativa. In: MOYLES, J. (Coord.) A excelência do brincar: a importância da brincadeira na transição entre educação infantil e

anos iniciais. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 83-93.

ARI? S, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1975. 279 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Ampliação do ensino fundamental para nove anos: relatório do programa. Brasília: MEC, 2004a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/9anosrelat.

pdf>. Acesso em: 13 mar. 2010.

______. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília: MEC, 2004b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/noveanorienger.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2010.

______. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/ensifund9anobasefinal.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2010.

______. Ministério da Educação. Programa de formação de professores alfabetizadores: documento de apresentação. Brasília: MEC, 2001. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Profa/apres.pdf>. Acesso em: 8 fev. 2010.

______. Presidência da República. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no

394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. In: PRESID? NCIA DA REP? BLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Legislação. Brasília, 2006a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm>. Acesso em: 12 fev. 2010.

CAMPOS, M. M. Educação infantil: o debate e a pesquisa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 101, p. 113-127, jul. 1997.

FARIA, A. L.G. de. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 1013-1038, Especial, out. 2005.

GOMES-DA-SILVA, E.; BAUMEL, R. C. R. de C. Corpo-movimento: desafios das linguagens infantis para a educação. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 17., 2009. Campinas. Anais... Campinas: Associação de Leitura do Brasil, 2009. Disponível em: <http://www.alb.com.br/anais17/>. Acesso em: 8 fev. 2010.

GORNI, D. A. P. Ensino Fundamental de 9 anos: estamos preparados para implantá-lo? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 67-80, jan./mar. 2007.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1990. 243 p.

KRAMER, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, Especial, p. 797-818, out. 2006a.

______. A infância e sua singularidade. In: BRASIL, Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006b, p. 13-23.

LEONTIEV, N. A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone;

Edusp, 1988. p. 119-142.

LIMA, E. S. Indagações sobre o currículo: currículo e

desenvolvimento humano. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. 56 p.

LIMA, J. M. de O jogo como recurso pedagógico no contexto educacional. São Paulo: Cultura Acadêmica; Universidade Estadual Paulista, 2008. 156 p.

MORO, Catharina de S. Ensino fundamental de nove anos: o que dizem as professoras do 1.° ano. Curitiba,

317 f. Tese (Doutorado em Educação)? Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

MOYLES, J. R. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006. 248 p.

SANTOS, L. C. P.; VIEIRA, L. M. F. Agora seu filho entra mais cedo na escola: a criança de seis anos no Ensino Fundamental de nove anos em Minas Gerais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, p. 775-796, out. 2006.

S? O PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Letra e vida. São Paulo: SEE, CENP, 2008. Disponível em: <http://cenp.edunet.sp.gov.br/letravida/#>. Acesso em: 3 abr. 2010.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, M. P.; CERISARA, A. B. (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sociológicas da infância e educação. Porto: Asa Editores, 2004. p. 9-34.

SARMENTO, M. J. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, M.; GOUVEA, M. C. S. de. (Org.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SCHERER, M.R. A globalização e a infância: reflexos e reflexões nas falas das crianças. 2007. 164 f. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências)? Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2007.

SIROTA, R. Emergência de uma sociologia da infância: evolução do objeto e do olhar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 111, p. 7-31, mar. 2001.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 169 p.

WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001. 119 p

Downloads

Publicado

2017-12-15

Como Citar

AZEVEDO, N. C. S. de; BETTI, M.; LIMA, J. M. de. A ludicidade e a criança: (des)arranjos no Ensino Fundamental de nove anos. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 93–103, 2017. DOI: 10.26843/v3.n1.2010.169.p93 - 103. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/169. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.