Tecnologias digitais nos processos de ensino e de aprendizagem para estudantes com Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Uma revisão sistemática da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v17i00.1349

Palavras-chave:

Tecnologias Assistivas, Tecnologias Digitais, Educação Matemática, TEA

Resumo

O objetivo deste estudo foi explorar as pesquisas existentes sobre o uso de tecnologias digitais no ensino de matemática para estudantes com Transtorno do Espectro Autista (TEA), destacando os principais resultados. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com foco no procedimento da Revisão Sistemática da Literatura, onde fez-se uma busca por artigos científicos em seis bases (WorldCat, Scopus, Science Direct, Scielo, ERIC e Web of Science), nos últimos cinco anos, abarcando a temática Tecnologia Digital, Autismo e Educação Matemática. Recuperou-se cinco artigos, sendo três do Brasil e dois de Portugal.  Embora percebido um tímido crescimento de interesse a partir de 2022, notou-se que há uma escassez no número de publicações relacionadas a temática. Considerando que a tecnologia digital é crucial para inovar no ensino e aprendizado, os resultados deste estudo apontam que há um vasto campo de investigação em relação ao uso de tecnologias assistivas digitais na educação de estudantes autistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcellino José Callegari, Instituto Federal do Espírito Santo

Discente do curso de Licenciatura em Matemática.

Elizangela Tonelli, Instituto Federal do Espírito Santo

Docente da Coordenadoria da Licenciatura em Matemática.

Geovane Carlos Barbosa, Instituto Federal do Espírito Santo

Docente da Coordenadoria da Licenciatura em Matemática.

Fúlvia Ventura Leandro Amorim, Instituto Federal do Espírito Santo

Docente da Coordenadoria da Licenciatura em Matemática.

Sidney Silva Santos , Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Pós-Doutorando em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ALMEIDA, J. C.; ULIANA, M. R. Inventário de Teses e Dissertações sobre o processo de Ensino e Aprendizagem de Matemática para estudantes com Tea (2000-2020). Revista REAMEC, Cuiabá, v. 11, n. 1, e23045, jan./dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.15123

ALVES, E. M. S. A ludicidade e o ensino da matemática: uma prática possível. Campinas, SP: Papirus, 2001.

AMARAL, D. G.; DAWSON, G., GESCHWIND, D. H. Autism spectrum disorders. [S. l.]: Oxford University Press, 2011. DOI: https://doi.org/10.1093/med/9780195371826.001.0001

APA. American Psychiatric Association. DSM-V-TR, manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BERSCH, R. de C. R. Design de um serviço de tecnologia assistiva em escolas públicas. 2009. 231 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Programa de Pós-Graduação em Design, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. [S. l.], 2013. Disponível em: http://www.haasfretes.com.br/arquivos/introducao-tecnologia-assistiva.pdf. Acesso em: 05 out. 2022.

BERSCH, R.; TONOLLI, J. C. Introdução ao Conceito de Tecnologia Assistiva e Modelos de Abordagem da Deficiência. [S. l.], 2006. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/tecnologia-assistiva. Acesso em: 14 ago. 2022.

BORBA, M. C.; SANTOS, S. C. Educação Matemática: propostas e desafios. EccoS Revista Científica, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 291-312, jul./dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.v7i2.418

BORBA, M. C.; SCUCUGLIA, R. R. S.; GADANIDIS, G. Fases das Tecnologias Digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BORIN, J. Jogos e Resolução de Problemas: uma estratégia para as aulas de matemática. São Paulo: IME-USP, 1996.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: MEC, 23 dez. 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 16 jan. 2024.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: CNE/CEB, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 16 jan. 2024.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 16 jan. 2024.

CAMILO, C.; GARRIDO, M. V. A revisão sistemática de literatura em psicologia: Desafios e orientações. Análise Psicológica, [S. l.], v. 37, n. 4, p. 535-552, 2019. Disponível em: http://hd1.handle.net/10400.12/7468. Acesso em: 20 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1546

CARVALHO, R. de S.; LIMA, C. N. de. A inclusão no ensino e na aprendizagem em Matemática. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, 11 jan. 2022. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/22/1/a-inclusao-no-ensino-e-na-aprendizagem-em-matematica. Acesso em: 22 jan. 2024.

COOK, A. M.; HUSSEY, S. M. Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis, Missouri. Mosby - Year Book, Inc, 1995.

DANTAS, M. C. Direito Fundamental ao Máximo Existencial. 2011. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/8703. Acesso 27 nov. 2023.

FLEIRA, R. C.; FERNANDES, S. H. A. A. Os Alunos com Transtorno do Espectro Autista na Perspectiva da Matemática escolar inclusiva: uma Análise de trabalhos acadêmicos. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 13., 2019, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá, MT: [s. n.], 2019.

FLOR, D.; CARVALHO, T. A. P. de. Neurociência para educador: coletânea de subsídios para alfabetização neurocientífica. São Paulo: Baraúna, 2011.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (org.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, 2009. p. 207-235. Disponível em: www.galvaofilho.net/assistiva.pdf Acesso em: 12 mar. 2024.

JACOBINI, O. R. A modelagem matemática como instrumento de ação política na sala de aula. 2004. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 2004.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MEDEIROS, R. P. Softwares matemáticos: O uso de novos recursos tecnológicos para o processo de ensino e aprendizagem da matemática; Revista brasileira de educação e saúde, Pombal, v. 4, n. 3, p. 6- 12, jul./set. 2014.

NICKEL, E. M. Sistematização da implementação de tecnologia assistiva para o contexto educacional. 2012. 264 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESO). Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia, 1990.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESO). Declaração de Salamanca e Enquadramento da Ação na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, Espanha, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 05 out. 2022.

PEREIRA, B. M.; TONELLI, E. Relações Entre A Neurociência Cognitiva E Educação Matemática: uma Revisão Sistemática Da Literatura. 2022. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo, Cachoeiro de Itapemirim, ES, 2022.

PEREIRA, L. M.; BARWALDT, R.; Gamificação como estratégia pedagógica para potencializar habilidades matemáticas para estudantes com Autismo: uma revisão sistemática da literatura. RENOTE, [S. l.], v. 20, n. 1, ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.22456/1679-1916.126512

PICHARILLO, A. D. M.; POSTALLI, L. M. M. Ensino de relações numéricas por meio da equivalência de estímulos para crianças com transtorno do espectro do autismo. Rev. Bras. Ed. Esp., Bauru, v. 27, e0105, p.17-34, jan./dez. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-54702021v27e0105

RADABAUGH, M. P. NIDRR's Long Range Plan - Technology for Access and Function Research Section Two: NIDDR Research Agenda Chapter 5: TECHNOLOGY FOR ACCESS AND FUNCTION, 1993. Disponível em: http://www.ncddr.org/rpp/techaf/lrp_ov.htm. Acesso em: 05/10/2022.

RODRIGUES, M. da S. Tecnologia assistiva sob a ótica da Infância: aplicativo Teacch.me e o Transtorno do Espectro Autista. Presidente Prudente, SP: UNIP, 2022.

SANTOS, M. I. G.; BREDA, A. M. R.; ALMEIDA, A. M. P. Promover o Raciocínio Geométrico em Alunos com Perturbação do Espectro do Autismo através de um Ambiente Digital. Bolema, Rio Claro, v. 34, n. 67, p. 375-398, ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-4415v34n67a02

SILVA, M.; MULICK, J. A. Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, [S. l.], n. 29, jan./jun. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932009000100010

SKOVSMOSE, O. Educação matemática crítica: a questão da democracia. 1. ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

SOUZA, A. C.; SILVA, G. H. G. Incluir não é Apenas Socializar: as Contribuições das Tecnologias Digitais Educacionais para a Aprendizagem Matemática de Estudantes com Transtorno do Espectro Autista. Bolema, Rio Claro, v. 33, n. 65, p. 1305-1330, dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-4415v33n65a16

TAKINAGA, S. S.; MANRIQUE, A. L. O Uso da Tecnologia e suas Contribuições para a Formação Integral do Aluno com Transtorno do Espectro Autista e do Aluno com Deficiência Intelectual nas Aulas de Matemática. Sisyphus - Journal of Education, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 33-46, nov./fev. 2022.

TOGNETTE, M. E.; SANTOS, I. C. A.; SILVA, N. R. Intervenções Para o Aluno com Tea no Ambiente Escolar: Uma Revisão Sistemática. Educere -Revista da Educação da UNIPAR, Umuarama, v. 23, n. 1, p. 392-405, 2023. DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v23i1-024

VAN DE WALLE, J. A.; KARP, K. S.; BAY-WILLIAMS, J. M. Elementary and middle school mathematics: Teaching developmentally. [S. l.]: Pearson, 2013.

VIANNA, C. R. Filosofia da educação matemática. In: BICUDO, M. A. V. (org.). Filosofia da educação matemática: concepções e movimentos. 1. ed. Brasília: Plano, 2003. p. 45-58.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Classification of mental and behavioral disorders: Clinical descriptions and diagnostic guidelines. Geneva, 1992.

Publicado

2024-05-21

Como Citar

CALLEGARI, M. J.; TONELLI, E.; BARBOSA, G. C.; AMORIM, F. V. L.; SANTOS , S. S. Tecnologias digitais nos processos de ensino e de aprendizagem para estudantes com Transtorno do Espectro Autista (TEA): Uma revisão sistemática da literatura. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 17, n. 00, p. e023021, 2024. DOI: 10.26843/ae.v17i00.1349. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/1349. Acesso em: 14 jun. 2024.