O uso de telas, o autismo virtual e os jogos

Um panorama a partir do Free Fire

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v16i00.1265

Palavras-chave:

Tecnologia Digital, Autismo virtual, Mídia e infância, Jogos digitais

Resumo

Este artigo visa discutir algumas pesquisas recentes sobre o uso excessivo de telas no desenvolvimento psicossocial de crianças e jovens, com ênfase especial nos jogos violentos, utilizando o jogo “Free Fire” como exemplo. Além disso, busca-se analisar as polêmicas relacionadas ao termo “autismo virtual”. A análise realizada identificou evidências de que o uso excessivo de telas por crianças está correlacionado ao aumento de problemas na linguagem, sociabilidade e cognição. No que diz respeito aos jogos violentos, destacam-se os riscos associados ao aumento de expressões agressivas, afetos negativos, diminuição da empatia e comportamentos pró-sociais. No entanto, em relação à correlação causal entre o uso excessivo de telas e o Transtorno do Espectro Autista (TEA), não existem evidências que sustentem ou refutem tal correlação. Portanto, o uso do termo “autismo virtual” pode induzir a interpretações equivocadas. Nesse contexto, espera-se que estas reflexões contribuam para aumentar a conscientização sobre a importância de políticas públicas e de uma educação crítica em relação às mídias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Prioste, Universidade Estadual Paulista

Professora associada do Departamento de Psicologia da Educação da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (UNESP). Chefe do departamento de Psicologia da Educação.

Maria Sylvia Celli Rogério, Universidade Estadual Paulista

 

Graduada em Letras. Mestranda em Educação Escolar pela UNESP.

Mariana Bragança Firmino, Universidade Estadual Paulista

Graduada em Letras. Mestranda em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP.

Simone Martins de Caires Palaro, Universidade Estadual Paulista

Graduada em Pedagogia com especialização em Psicopedagogia, Educação Especial e Distúrbios de Aprendizagem. Mestranda em Educação Escolar pela UNESP.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais DSM-5-TR. Porto Alegre: Artmed Editora, 2014.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. APA resolution on violent video games: February 2020 revision to the 2015 resolution. 2020. Disponível em: https://www.apa.org/about/policy/resolution-violent-video-games.pdf. Acesso em: 17 ago. 2023.

CARDOSO, P. C. et al. Changes in Screen Time in Brazil: A Time-Series Analysis, 2016-2021. American Journal of Health Promotion, [S. l.], v. 37, n. 5, p. 681-684, 2023. DOI:10.1177/08901171231152147. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/08901171231152147. Acesso em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1177/08901171231152147

DESMURGET, M. TV lobotomie: la verité Scientifique sur les effects de la télévision. Paris: Max Milo Éditions, 2012.

DÍEZ GUTIÉRREZ, E. (org.). Investigación desde la práctica. Guía didáctica para el análisis de los videojuegos. Madrid: CIDE/Instituto de la Mujer, 2004.

DÍEZ-GUTIÉRREZ, E. Género, Medios y Educación en Igualdad: de Super Mário Bros a Fornite. In: BORTOLOZZI, A. C.; RIBEIRO, P. R. M. (org.). Enfrentando a barbárie: temas emergentes sobre sexualidade, gênero e educação em cenários antidemocráticos. 1. ed. Bauru, SP: Gradus Editora, 2022.

ESTALLÓ, J. A. Los videojuegos. Juicios y prejuicios. Barcelona: Planeta, 1995.

FEENBERG, A. A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília, DF: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina, CDS, UnB, Capes, 2013.

FREUD, S. Obras completas volume 15: Psicologia das massas e análise do Eu e outros textos (1920-1923). Trad: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GUELLAI, B. et al. Effects of screen exposure on young children’s cognitive development: A review. Frontiers in Psychology, [S. l.], v. 13, 923370, 2022. DOI: 10.3389/fpsyg.2022.923370. Disponível em: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyg.2022.923370/full. Acesso em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2022.923370

HARAWAY, D. J. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: TADEU, T (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

LALUEZA, J. L.; CRESPO, I.; CAMPS, S. As tecnologias da informação e da comunicação e os processos de desenvolvimento e socialização. In: COLL, C.; MONEREO, C. (org.). Psicologia da Educação Virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MARCELLI, D.; BOSSIÈRE, M. C.; DUCANDA, A. L. Plaidoyer pour un nouveau syndrome: “Exposition précoce et excessive aux écrans”. Enfances & Psy, [S. l.], v. 79, n. 3, p. 142-160, 2018. DOI: 10.3917/ep.079.0142. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-enfances-et-psy-2018-3-page-142.htm?ref=doi. Acesso em: 16 ago. 23. DOI: https://doi.org/10.3917/ep.079.0142

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). World mental health report. 2022. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/oms-divulga-informe-mundial-de-saude-mental-transformar-a-saude-mental-para-todos/. Acesso em: 16 ago. 2023.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants: Do they really think differently? On the horizon, [S. l.], v. 9, n. 6, p. 1-6, 2001. DOI: 10.1108/10748120110424843. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/10748120110424843/full/html. Acesso em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1108/10748120110424843

PRIOSTE, C. D. O adolescente e a internet: laços e embaraços no mundo virtual. 1. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2016. v. 1.

PRIOSTE, C. D. Tecnología y educación: en busca de una pedagogía liberadora frente a la neocolonización digital. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, [S. l.], v. 24, n. 51, p. 9-29, 2019. DOI: 10.20435/serie-estudos.v24i51.1300. Disponível em: https://serieucdb.emnuvens.com.br/serie-estudos/article/view/1300. Acesso em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v24i51.1300

PRIOSTE, C. D.; AMARAL, M. G. T. As fantasias virtuais das meninas e as vulnerabilidades na adolescência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 10, n. esp2, p. 1673-1686, 2016. DOI: 10.21723/riaee.v10i6.8343. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8343. Acesso: 24 jun. 23. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i6.8343

PRIOSTE, C. D.; MAZZEU, F. J. C.; GILIOTTI, L. Riscos on-line e jogos violentos: análise das atividades infantis na internet. Revista Tecnologia Educacional, [S. l.], n. 221, p. 113-123, 2018. ISSN: 0102-5503. Disponível em: http://abt-br.org.br/wp-content/uploads/2019/03/221.pdf. Acesso em: 16 ago. 2023.

SLOBODIN, O.; HEFFLER, K.F.; DAVIDOVITCH, M. Screen Media and Autism Spectrum Disorder: A Systematic Literature Review. Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics: JDBP, [S. l.], n. 40, p. 303-311, 2019. Disponível em: https://europepmc.org/article/med/30908423 Acesso em 16 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.1097/DBP.0000000000000654

TISSERON, S. 3-6-9-12 Apprivoiser les écrans et grandir. Toulouse: Éditions Érés, 2013. Disponível em: https://www.3-6-9-12.org. Acesso em: 17 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.3917/eres.tisse.2013.01

TORDJMAN, S. et al. Gene× Environment interactions in autism spectrum disorders: role of epigenetic mechanisms. Frontiers in psychiatry, [S. l.], v. 5, n. 53, 2014. DOI: 10.3389/fpsyt.2014.00053. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4120683/. Acesso em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyt.2014.00053

TÜRCKE, C. Hipertexto. In: DURÃO, F. A.; ZUIN, A. A. S.; VAZ, A. F. A indústria cultural hoje. São Paulo: Boitempo, 2008.

UEHARA, F. M. Barreiras para a implementação de práticas docentes com o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos anos iniciais do ensino fundamental. 2018. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2018.

WINNER, L. Artefatos têm Política? (trad. Debora Pazetto Ferreira e Luiz Henrique de Lacerda Abrahão). “Do artifacts have politics?” In: WINNER, L. (org.). The Whale and the Reactor: a search for limits in an Age of High Technology. ANALYTICA, Rio de Janeiro, v. 21 n. 2, p. 195-218, 2017 [1986]. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/analytica/article/viewFile/22470/12527. Acesso em: 15 jun. 2023. DOI: https://doi.org/10.35920/arf.v21i2.22470

ZAMFIR, M. T. et al. The consumption of virtual environment more than 4 hours/day, in the children between 0-3 years old, can cause a syndrome similar with the autism spectrum disorder. Journal of Romanian literary studies, [S. l.], n. 13, p. 953-968, 2018. Disponível em: https://www.ceeol.com/search/article-detail?id=742946. Acesso em: 20 jun. 2023.

Publicado

2023-09-14

Como Citar

PRIOSTE, C.; ROGÉRIO, M. S. C.; FIRMINO, M. B.; PALARO, S. M. de C. O uso de telas, o autismo virtual e os jogos: Um panorama a partir do Free Fire. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 16, n. 00, p. e023008, 2023. DOI: 10.26843/ae.v16i00.1265. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/1265. Acesso em: 22 jun. 2024.