Matriz de desenvolvimento profissional docente

Contribuições para o campo da formação de professores no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v16i00.1220

Palavras-chave:

Matriz, Formação continuada, Práticas docentes

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir uma matriz de desenvolvimento profissional docente e seu processo de construção. Ela foi elaborada a partir do conteúdo da Base Nacional Comum para a Formação Continuada (BNC-FC), que define competências e habilidades docentes para orientar os processos formativos das redes de ensino do Brasil. Seu propósito é servir como instrumento para a realização de diagnósticos sobre as necessidades formativas dos professores, permitindo a definição de objetivos nítidos e relevantes para sua formação. A matriz está fundamentada em aspectos teóricos do trabalho e da formação docente e sua metodologia é baseada na abordagem centrada em evidências. Como resultado, obteve-se um instrumento composto por 24 elementos que expressam práticas profissionais, representando um crescimento da complexidade da atuação profissional docente. Propõe-se que seja utilizada como ponto de partida pelas redes de ensino em seus processos de discussão da BNC-FC tendo em vista as especificidades locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Miranda Moriconi, Fundação Carlos Chagas

Pesquisadora do Departamento de Pesquisas Educacionais.

Nelson Antonio Simão Gimenes, Fundação Carlos Chagas

Pesquisador do Departamento de Pesquisas Educacionais. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo – SP – Brasil. Docente do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional Educação: Formação de Formadores.

Amadeu Moura Bego, Universidade Estadual Paulista

Docente junto ao Departamento de Química Analítica, Físico-Química e Inorgânica e ao Programa de Pós-Graduação em Química.

Daniel Abud Seabra Matos, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Rodnei Pereira, Universidade Cidade de São Paulo

Pesquisador do Departamento de Pesquisas Educacionais. Universidade Cidade de São Paulo (Unicid), São Paulo – SP – Brasil. Professor do Programa de Mestrado Profissional em Formação de Gestores Educacionais e do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Walkiria de Oliveira Rigolon, Universidade Paulista

Docente no curso de Pedagogia. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Professora dos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Referências

ABRUCIO, F. et al. Métodos inovadores de ensino: as experiências internacionais de referenciais de atuação docente. São Paulo: Centro de Estudos em Administração Pública e Governo – FGV, 2017.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. 2004. Londrina, PR: UEL, 2004. p. 35-53.

BALL, D.; FORZANI, F. The work of teaching and the challenge for teacher education. Journal of Teacher Education, v. 60, n. 5, p. 497–511, 2009. DOI: 10.1177/0022487109348479. DOI: https://doi.org/10.1177/0022487109348479

BALL, D.; FORZANI, F. Building a common core for learning to teach and connecting professional learning to practice. American Educator, v. 35, n. 2, p. 17–21, 2011. Disponível em: http://web.b.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=ff50f0dc-44a2-4da1-884b5f0d04fe9785@sessionmgr113&vid=1&hid=118. Acesso em: 20 abr. 2020.

BEGO, A. Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, n. 1, p. 3-24, 2016. DOI: 10.25053/edufor.v1i2.1864. DOI: https://doi.org/10.25053/edufor.v1i2.1864

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 abr. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação, PNE. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 20 abr. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília, DF: CNE, 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=164841-rcp001-20&category_slug=outubro-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 abr. 2021.

BROOKHART, S. How to create and use rubrics for formative assessment and grading. Alexandria: Ascd, 2013. DOI: https://doi.org/10.4135/9781452218649.n15

CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO (CONSED) et al. Formação Continuada na prática: implementando processos formativos orientados por referenciais profissionais. 2021a. Disponível em: http://undime.org.br/uploads/documentos/php9w8HE3_61a5889f88c53.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO (CONSED) et al. 2021b. Anexo - Proposta de matriz de desenvolvimento profissional docente. Disponível em: http://undime.org.br/uploads/documentos/phphp9yGR_61a588b68669b.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO (CONSED); UNIÃO NACIONAL DE DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO (UNDIME); MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Referenciais profissionais docentes para formação continuada. 2019. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2020/08/Referenciaisprofissionais-docentes_FTConsedUndimeMEC.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

FERNANDES, D. Rubricas de Avaliação. Critério, v. 1, n. 2, 2021.

FORZANI, F. Understanding “Core Practices” and “Practice-Based” Teacher Education: Learning From the Past. Journal of Teacher Education, v. 65, n. 4, p. 357–368, 2014. DOI: https://doi.org/10.1177/0022487114533800

GARCÍA, C. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Editora Porto, 1999.

GATICA-LARA, F.; URIBARREN-BARRUETA, T. N. J. ¿Cómo elaborar una rúbrica? Investigación en educación médica, v. 2, n. 5, p. 61-65, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/S2007-5057(13)72684-X

GROSSMAN, P.; MCDONALD, M. Back to the future: directions for research in teaching and teacher education. American Educational Research Journal, v. 45, n. 1, p. 184–205, 2008. DOI: https://doi.org/10.3102/0002831207312906

GUSKEY, T. Professional development and teacher change. Teachers and Teaching: Theory and Practice, v. 8, n. 3/4, 2002. DOI: https://doi.org/10.1080/135406002100000512

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Amadora, PT: McgrawHill, 1998.

HERMAN, J.; LINN, R. Evidence-centered design: a summary. National Center for Research on Evaluation, Standards, and Student Testing. University of California, 2015. Disponível em: https://csaa.wested.org/wp-content/uploads/2019/11/ECDsummary.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2006.

INGVARSON, L. Building a learning profession. Australian Council for Educational Research (ACER) Policy Briefs, 2003. Disponível em:

https://research.acer.edu.au/cgi/viewcontent.cgi?article=1004&context=professional_dev. Acesso em: 23 jun. 2019.

KLEINHENZ, E.; INGVARSON, L. Standards for teaching: theoretical underpinnings and applications. New Zealand Teachers Council, 2007. Disponível em: https://research.acer.edu.au/cgi/viewcontent.cgi?referer=&httpsredir=1&article=1000&contex t=teaching_standards. Acesso em: 23 jun. 2019.

KRICHESKY; G.; MURILLO, J. Las comunidades profesionales de aprendizaje: una estrategia de mejora para una nueva concepción de escuela. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, v. 9, n. 1, p. 65-83, 2011. DOI: https://doi.org/10.15366/reice2011.9.1.004

LESSARD, C. A Universidade e a formação profissional dos docentes: novos questionamentos. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 94, p. 201-227, jan./abr., 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000100010

MCDONALD, M.; KAZEMI; E.; KAVANAGH; S. Core practices and pedagogies of teacher education: a call for a common language and collective activity.

Journal of Teacher Education, v. 64, n. 5, p. 378–386, 2013. DOI: https://doi.org/10.1177/0022487113493807

MECKES; L. Estándares y formación docente inicial. In: UNESCO/OREALC (org.). Temas críticos para formular nuevas políticas docentes en América Latina y el Caribe: el debate actual. Santiago: UNESCO/OREALC. 2014. p. 53-109. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000232822. Acesso em: 27 jun. 2019.

MISLEVY, R.; ALMOND, R.; LUKAS, J. A Brief Introduction to Evidence Centered Design. National Center for Research on Evaluation, Standards, and Student Testing. University of California. 2003. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED483399.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.1002/j.2333-8504.2003.tb01908.x

MISLEVY; R. Evidence and inference in educational assessment. Psychometrika, p. 341-369, 1994. DOI: https://doi.org/10.21236/ADA291474

MIZUKAMI, M. G. Escola e desenvolvimento profissional da docência. In: GATTI, B. et al. Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Ed. Unesp. p. 23-54, 2013.

MORICONI, G. et al. Formação continuada de professores: contribuições da literatura baseada em evidências. São Paulo: FCC. 2017. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/textosfcc/issue/view/340/169. Acesso em: 25 fev. 2021.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MANAUS (SEMED MANAUS). Matriz de Autoavaliação do Professor - Fundamental 1. Manaus: SEMED - Programa Tutoria Educacional, 2021. Disponível em:

https://www.consed.org.br/storage/download/60d059ea45eb8.pdf. Acesso em: 18 fev. 2021.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Cambridge, v. 57, p. 1-22, 1987. DOI: https://doi.org/10.17763/haer.57.1.j463w79r56455411

SILVA, V.; ALMEIDA, P.; GATTI, B. Referentes e critérios para a ação docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 160, p. 286-311, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/198053143415

STATE OF CALIFORNIA. California Standards for Teaching Profession (CSTP). Comission on Teaching Credentialing. 2009. Disponível em: https://www.ctc.ca.gov/docs/default-source/educator-prep/standards/cstp-2009.pdf. Acesso em: 20 fev. 2021.

STATE OF CALIFORNIA. Continuum of Teaching Practice. Department of Education; Comission on Teaching Credentialing; New Teacher Center. 2012. Disponível em:

https://www.ctc.ca.gov/docs/default-source/educator-prep/ca-ti/final-continuum-of-teachingpractice.pdf. Acesso em: 20 fev. 2021.

TIMPERLEY, H. et al. Teacher professional learning and development: Best Evidence Synthesis Iteration – BESI. Wellington, NZ: Ministry of Education. 2007. Disponível em: https://www.educationcounts.govt.nz/__data/assets/pdf_file/0017/16901/TPLandDBESentire Web.pdf. Acesso em: 25 fev. 2021.

VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

VILLEGAS-REIMERS, E. Teacher professional development: an international review of the Literature. Paris: UNESCO International Institute for Educational Planning, 2003. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000133010. Acesso em: 26 fev. 2021.

ZIEKY, M. An introduction to the use of evidence centered design in test

development. Psicología Educativa, v. 20, n. 2, p. 79–87, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.pse.2014.11.003

Publicado

2023-12-30

Como Citar

MORICONI, G. M.; GIMENES, N. A. S.; BEGO, A. M.; MATOS, D. A. S.; PEREIRA, R.; RIGOLON, W. de O. Matriz de desenvolvimento profissional docente: Contribuições para o campo da formação de professores no Brasil. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 16, n. 00, p. e023038, 2023. DOI: 10.26843/ae.v16i00.1220. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/1220. Acesso em: 20 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.