Desafios potenciais do currículo como movimento insurgente de descolonização na formação escolar e acadêmica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/ae.v16i00.1184

Palavras-chave:

Decolonialidade, Currículo, Conhecimento, Poder

Resumo

O principal objetivo do trabalho é discutir desafios e potenciais da relação currículo e decolonialidade, com destaque a pergunta: O que podem currículos em perspectivas decoloniais? A discussão é feita tomando-se a análise de quatro categorias teóricas consideradas centrais nos estudos do campo curricular, quais sejam: conhecimento escolar, relações de poder, finalidades formativas e produção de subjetividades na escolarização. Tomando-se como base os referenciais do pensamento e da pedagogia decoloniais, em cada um desses aspectos são destacados alguns dos principais desafios para a superação do hegemônico padrão curricular colonial e apontadas alternativas de descolonização. Como conclusão, afirma-se que as iniciativas de práticas curriculares em perspectiva decolonial são mais substantivas e com maior potencial para ocupação de novos espaços educativos, quando associam compreensão conceitual, coragem coletiva para insurgência e engajamento cultural e político com modos outros de ser, resistir, saber, ocupar e viver.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juares da Silva Thiesen, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Doutor em Educação e Doutor em Gestão do Conhecimento.

Referências

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BOBBITT, J. F. O Currículo. Porto, Portugal: Didáctica Editora, 2004.

BRAY, M. Cinco lições para antifascistas. Revista Serrote, [s. l.], n. 38, 2018. Disponível em: https://revistaserrote.com.br/2018/03/cinco-licoes-de-historia-para-antifascistas-por-mark-bray. Acesso em: 20 out. 2018.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FRIGOTTO, G.; FERREIRA S. M. Cultura autoritária, ultraconservadorismo, fundamentalismo religioso e o controle ideológico da educação básica pública. Revista Trabalho Necessário, Niterói, RJ, v. 17, n. 32, p. 88-113, 2019. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.17i32.p28304

LÖWY, M. “A contrapelo”. A concepção dialética da cultura nas teses de Walter Benjamin (1940). Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 25-26, p. 20-28, 2010.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (ed.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: IESCO-Pensar-Siglo del Hombre, 2007. p. 127-167.

ORTIZ OCAÑA, A. et al. Pedagogía decolonial: hacia la configuración de biopraxis pedagógicas decolonizantes. Revista Ensayos Pedagógicos, Heredia (Costa Rica), n. 13, v. 2, p. 201-233, 2018. DOI: https://doi.org/10.15359/rep.13-2.10

QUIJANO, A. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, São Paulo, n. 37, p. 4-28, 2002.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad más alládel capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1996.

SILVA, J. F. Sentidos da avaliação da educação e no ensino e no currículo na educação básica através dos estudos pós-coloniais latino-americanos. Espaço do Currículo, João Pessoa, PB, v. 8, n. 1, p. 49-64, jan./abr. 2015. DOI: https://doi.org/10.15687/rec.2015.v8n1.049064

SÜSSEKIND, M. L.; PAVAN, R. Outras metodologias e outras epistemologias: pesquisas com currículos a caminho de Bacurau. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 20, n. 59, out./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.47485

WALSH, C. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento ‘otro’ desde la diferencia colonial”. In: WALSH, C.; LINERA, A. G.; MIGNOLO, W. Interculturalidad, descolonización del estado y del conocimiento. Buenos Aires: Del Signo, 2006.

WALSH, C. Interculturalidad crítica/pedagogia decolonial. In: MEMÓRIAS DEL SEMINÁRIO INTERNACIONAL, 2007, Bogotá (Colombia). Actas do […]. Bogotá, Colombia: Universidad Pedagógica Nacional, 2007. Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad.

WALSH, C. Interculturalidad, Estado, Sociedad. Luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito, Equador: Abya-Yala, 2009.

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, SC, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.

WHASH, C. Interculturalidade e decolonialidade do poder um pensamento e posicionamento "outro" a partir da diferença colonial. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, v. 05, n. 1, jan./jul. 2019.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, 2007. Disponível em: scielo.br/j/es/a/GshnGtmcY9NPBfsPR5HbfjG/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23 maio 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002

Publicado

2023-11-06

Como Citar

THIESEN, J. da S. Desafios potenciais do currículo como movimento insurgente de descolonização na formação escolar e acadêmica. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 16, n. 00, p. e023014, 2023. DOI: 10.26843/ae.v16i00.1184. Disponível em: https://publicacoes.unicid.edu.br/ambienteeducacao/article/view/1184. Acesso em: 24 jul. 2024.