Análise da eficácia da higiene oral de pacientes internados em unidade de terapia intensiva em um hospital de alta complexidade do sul do Brasil

Karoline Cândido Francisco Teixeira, Luana Moretti dos Santos, Fabiano Goulart Azambuja

Resumo

Introdução: As infecções orais, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), deveriam ser preocupações constantes dos profissionais da área da Saúde ali inseridos, devido às consequências que podem causar na saúde geral dos pacientes debilitados sistemicamente. A criação de um protocolo padrão de higiene oral é de suma importância para impedir ou tratar tais infecções, o que possibilita ao paciente conforto e qualidade de vida, devendo ser realizada por profissionais qualificados. Métodos: Foi realizado um estudo transversal e descritivo, cuja análise foi descritiva e se desenvolveu na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital de alta complexidade no Sul do Brasil, no período de fevereiro de 2016 a fevereiro de 2017. A amostra total foi composta por 35 pacientes, com idade mínima de 18 anos, que estavam internados na UTI do referido hospital, portadores de prontuários e Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Resultados: Dentre os microrganismos achados nos exames laboratoriais dos pacientes, apresentaram-se em maior quantidade Klebsiella pneumoniae, Staphylococcus coagulase negativo e Escherichia coli. Apenas dois pacientes adquiriram o Acinetobacter baumannii. A maioria dos pacientes obtiveram bactérias gram-negativas presentes em sua microbiota oral. Conclusões: As bactérias patogênicas presentes no meio oral devem ser tratadas e erradicadas. Isso pode ser alcançado por meio de um protocolo padrão de higiene oral. A participação da Odontologia na equipe multidisciplinar no ambiente hospitalar é de fundamental importância para a indicação da terapêutica adequada.

Palavras-chave

Cuidados críticos; Higiene bucal; Microbiologia oral

Texto completo:

PDF

Referências

KAHN S, Mangialardo ES, Garcia CH, Namen FM, Galan Júnior J, Machado WAS. Controle de infecção oral em pacientes internados: uma abordagem direcionada aos médicos intensivistas e cardiologistas. Ciênc saúde coletiva 2010 jun.; 15(supl. 1):1819-26. 2. MORAIS TMN, Silva A, Avi ALRO, Souza PHR, Knobel E, Camargo LFA. A importância da atuação odontológica em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev bras ter intensiva 2006 dez.; 18(4):412-7. 3. TORTORA GJ, Funke BR, Case CL. Microbiologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed; 2012. 4. EL-RABBANY M, Zaghlol N, Bhandari M, Azarpazhooh A. Prophylactic oral health procedures to prevent hospital-acquired and ventilator-associated pneumonia: a systematic review. International journal of nursing studies 2015 Jan; 52(1):452-64. 5. FRANCO JB, Jales SMCP, Zambon CE, Fujarra FJC, Ortegosa MV, Guardieiro PFR, et al. Higiene bucal para pacientes entubados sob ventilação mecânica assistida na unidade de terapia intensiva: proposta de protocolo. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2014 59(3):126-31. 6. SCHLESENER VRF, Rosa UD, Raupp SMM. O cuidado com a saúde bucal de pacientes em UTI. Cinergis 2012 jan.-mar; 13(1):73-7. 7. ASSOCIAÇÃO de Medicina Intensiva Brasileira. São Paulo: AMIB; 2013 [Acesso em: 28 maio 2019]; Disponível em: https://www.amib.org.br/pagina-inicial/. 8. COSTA-JÚNIOR FM, Maia ACB. Concepções de homens hospitalizados sobre a relação entre gênero e saúde. Psic: Teor e Pesq 2009 mar.; 25(1):55-63. 9. AMARAL SM, Cortes Ade Q, Pires FR. Nosocomial pneumonia: importance of the oral environment. Jornal brasileiro de pneumologia : publicacao oficial da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisilogia 2009 Nov;35(11):1116-24. 10. OKGUN Alcan A, Demir Korkmaz F, Uyar M. Prevention of ventilator-associated pneumonia: Use of the care bundle approach. American journal of infection control 2016 Oct 1; 44(10):e173-e6. 11. MANGER D, Walshaw M, Fitzgerald R, Doughty J, Wanyonyi KL, White S, et al. Evidence summary: the relationship between oral health and pulmonary disease. British dental journal 2017 Apr 7; 222(7):527-33. 12. KONEMAN EW, Allen SD, Janda WM. Color atlas and textbook of diagnostic microbiology. In: Koneman, EW, Allen, SD, Janda, WM. Cocos gram-positivos parte I: Estafilococcos e microorganismos relacionados. 5. ed. Philadelphia: Lippincott; 1997. p. 559. 13. BARRETO MF, Picoli SU. Staphylococcus em um hospital de Porto Alegre (RS) Rev bras anal clin 2008 40(4):285-7. 14. CUNHA Mde L, Sinzato YK, Silveira LV. Comparison of methods for the identification of coagulase-negative staphylococci. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 2004 Dec; 99(8):855-60. 15. KIM J, Kim M, Kim S, Ryu S. Sensitive detection of viable Escherichia coli O157:H7 from foods using a luciferase-reporter phage phiV10lux. International journal of food microbiology 2017 Aug 2; 254(11-7. 16. LOUREIRO RJ, Roque F, Rodrigues AT, Herdeiro MT, Ramalheira E. O uso de antibióticos e as resistências bacterianas: breves notas sobre a sua evolução. Rev Port Sau Pub 2016 mar.; 34(1):77-84. 17. NEOBRAX. Clorexidina: relatório técnico. 2009 [Acesso em: 28 maio 2019]; Disponível em: http://www.neobrax.com.br/download/Relatorio-Tecnico-da-Clorexidina.pdf. 18. HAGI A, Iwata K, Nii T, Nakata H, Tsubotani Y, Inoue Y. Bactericidal effects and mechanism of action of olanexidine gluconate, a new antiseptic. Antimicrobial agents and chemotherapy 2015 Aug; 59(8):4551-9. 19. SANTOS PSS, Mello WR, Wakim RCS, Paschoal MÂG. Uso de solução bucal com sistema enzimático em pacientes totalmente dependentes de cuidados em unidade de terapia intensiva. Rev bras ter intensiva 2008 jun.; 20(2):154-9. 20. SOUSA LVS, Pereira AFV, Silva NBS. A atuação do cirurgião-dentista no atendimento hospitalar. Rev Ciênc Saúde 2014 jan.-jun.; 16(1):39-45.


Visualizações do PDF:

20 views


Visualizações do Resumo:

64 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud