Fitoterápicos: uma possibilidade na clínica odontopediátrica

Bruna Balthazar Scheffelmeier, José Massao Miasato, Bárbara de Azevedo Abrahim Vieira

Resumo

A fitoterapia ainda é um assunto pouco explorado na Odontologia. Uma grande vantagem dos fitoterápicos em relação aos produtos sintéticos é a menor toxicidade, fator de ainda maior peso quando se trata de odontopediatria. Com isso, o objetivo deste estudo foi avaliar, através de uma revisão da literatura, a eficácia dos produtos fitoterápicos como terapia alternativa de prevenção e tratamento de afecções orais comuns e controle da ansiedade em odontopediatria. Foi avaliada a eficácia dos fitoterápicos em situações como pulpotomia, controle de biofilme, tratamento de aftas e controle da ansiedade ao tratamento odontológico. Em todas as situações, os resultados foram positivos quanto ao uso da fitoterapia.

Palavras-chave

Fitoterapia; Terapias complementares; Odontopediatria; Saúde bucal

Texto completo:

PDF

Referências

CARVALHO IO. Atividade antibacteriana de óleos essenciais e cremes dentais fitoterápicos em bactérias cariogênicas [Dissertação]. Minas Gerais: Universidade Federal de Viçosa – UFV; 2016. 2. ALVES AR, Silva MJP. O uso da fitoterapia no cuidado de crianças com até cinco anos em área central e periférica da cidade de São Paulo. Rev Esc Enferm USP 2003 dez.;37(4):85- 91. 3. SANTOS RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev bras plantas med 2011 13(4):486-91. 4. ORGANIZAÇÃO Mundial De Saúde (OMS). Alma-Ata. 1978: cuidados primários de saúde: relatório da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Brasil: UNICEF; 1979 [Acesso em: 26 março 2018]; Disponível em:http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/39228/9241800011_por.pdf;jsessionid=23A0CCB7D7EDB62EC24F27109C77A51D?sequence=5. 5. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Ciência. Tecnologia E Insumos Estratégicos. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [Acesso em: 26 março 2018]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf. 6. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Ciência. Tecnologia E Insumos Estratégicos. Programa nacional de plantas medicinais e fitoterápicos Brasília: Ministério da Saúde; 2009 [Acesso em: 27 março 2018]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf. 7. CARVALHO GD, Souza ED, Souza LA, Porfirio LC, Siqueira HM. Perfil de famílias interioranas que fazem uso de plantas medicinais PUBVET [Periódico on-line].2008; 2(12). [Acesso em: 27 março 2018] Disponível em: http://pubvet.com.br/material/Carvalho185.pdf. 8. MONTEIRO MHDA. Fitoterapia na odontologia: levantamento dos principais produtos de origem vegetal para saúde bucal [Tese]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz –FIOCRUZ; 2014. 219f. 9. GUPTA N, Bhat M, Devi P, Girish. Aloe-vera: a nature’s gift to children. Int J Clin Pediatr

Dent 2010 May-Aug;3(2):87-92. 10. GALA-GARCÍA A, Teixeira KIR, Mendes LL, Sobrinho APR, Santos VR, Cortes ME. Effect of aloe vera on rat pulp tissue. Pharmaceutical Biology 2008 46(5):302-8. 11. LOSSO EM, Tavares MCR, Silva JYB, Urban CA. Cárie precoce e severa na infância: uma abordagem integral. J Pediatr 2009 ago;85(4):295-300. 12. CHAVES RA, Neves AM, Miranda KCO, Passos IA, Oliveira AFB. Consultório odontológico na escola: análise da saúde gengival e do nível de higiene oral. RGO - Rev Gaúcha Odontol, Porto Alegre 2011 jan/mar;59(1):29-34. 13. NEVILLE BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia: oral & maxilofacial. 2. ed.

Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. 14. NUNES RS, Lira AA, Lacerda CM, Silva DOB, Silva JA, Santana DP. Obtenção e avaliação clínica de dentifrícios à base do extrato hidroalcoólico da Lippia sidoides Cham (Verbenaceae) sobre o biofilme dentário. Rev Odontol UNESP 2006 out-dez ;35(4):275-83. 15. ALBUQUERQUE ACL, Pereira MSV, Pereira JV, Costa MRM, Higino JS. Efeito antimicrobiano do extrato da Lippia sidoides Cham. sobre microrganismos cariogênicos. Arq Odontol 2008 44(4):5-10. 16. TENÓRIO LA. A avaliação clínica da atividade do dentifrício à base do extrato de Rosmarinus officinalis Linn. (alecrim) sobre o biofilme dental: um estudo preliminar [Dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco – UFP; 2014. 17. BARBOSA DN. Análise clínica do efeito de fitoterápicos na redução do biofilme dental

e sangramento gengival na doença periodontal [Dissertação]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba – UEPB; 2011. 18. BELÉM NM. Análise clínica e microbiológica do efeito de fitoterápicos na redução do biofilme dental e do sangramento gengival na doença periodontal [Dissertação]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba – UEPB; 2011. 19. OLIVEIRA FQ, Gobira B, Guimarães C, Batista J, Barreto M, Souza M. Espécies vegetais indicadas na odontologia. Rev bras farmacogn 2007 set;17(3):466-76. 20. MARTÍN Mauriño AM, Martínez-Sahuquillo Márquez Á. Tratamiento de la estomatitis aftosa recidivante [Monografia]. Sevilla: Universidad de Sevilla; 2016. 21. SCHNEIDER JO. Abordagem da ansiedade em Odontopediatria: revisão de literatura [Monografia]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná – UFPR; 2013. 22. DANTAS LP. Efeitos da passiflora incarnata e do midazolam no controle da ansiedade em pacientes submetidos à exodontia de tercerios molares inclusos [Dissertação]. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe - UFS; 2014. 23. PINHEIRO MLP. Avaliação dos efeitos da Valeriana officinalis L no controle da ansiedade em pacientes submetidos a exodontias de terceiros molares mandibulares inclusos [Dissertação]. Piracicaba: Universidade Estadual de Campinas – UEC; 2003.


Visualizações do PDF:

435 views


Visualizações do Resumo:

815 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud