Avaliação da escolha dos testes de sensibilidade pulpar por clínicos gerais da cidade de Taubaté

João Marcelo Ferreira de Medeiros, Claudia Auxiliadora Pinto, Luiz Carlos Laureano da Rosa, Sandra Marcia Habitante, Edison Tibagy Dias Carvalho de Almeida, Nivaldo André Zollner

Resumo

Introdução: A proposta desta pesquisa é avaliar os recursos complementares de que os clínicos gerais da cidade de Taubaté lançam mão na determinação da sensibilidade pulpar. Método: Foram entrevistados ao acaso 106 cirurgiões-dentistas da cidade de Taubaté valendo-se de um questionário elaborado pelo autor. Tais profissionais eram de diferentes épocas de graduação, portadores de especialidade ou não e de diversas faculdades de Odontologia. Os questionários apresentavam uma lista de testes com a seguinte pergunta: “Qual ou quais os recursos suplementares mais utilizados na avaliação da sensibilidade pulpar deque você lança mão durante o exame do paciente?”. Os dados foram organizados de modo a facilitar sua subdivisão em teste pelo frio, calor, elétrico, cavidade, anestesia e outros, permitindo estabelecer percentuais de utilização destes em função do número de citações. Resultados: Como inferência estatística utilizou-se teste binomial para proporção, sendo o nível de significância de 5%.Na comparação entre a proporção de clínicos gerais que utilizam guta-percha (90,56%) e bastão de gelo (77,35%) o teste apresentou pvalor<0,05 indicando que a proporção de clínicos gerais que usam guta-percha aquecida é maior do que aqueles clínicos que usam bastão de gelo. Conclusão: De posse dos resultados obtidos, concluiu-se que a guta-percha aquecida foi o recurso auxiliar preferido pelos clínicos gerais (90,56%) seguido do bastão de gelo (77,35%), gases refrigerantes 64,15%), jato de ar (41,5%), teste de anestesia (38,67%), teste de cavidade (31,13%), água fria (24,52%), brunidor aquecido (4,71%), teste elétrico (1,88%) e algodão embebido em álcool (0,94%).

Palavras-chave

Diagnóstico; Teste da polpa dentária; Frio; Calor;Testes diagnósticos de rotina.

Texto completo:

PDF

Referências

Medeiros JMF, Carvalho PL, Alkmin ST, Zöllner NA, Haddad Filho MS. Avaliação da escolha dos testes de sensibilidade pulpar por especialistas em endodontia. Rev Portuguesa de Estomatol, Med Dent e Cirurg Maxilofacial 2007 48(3): 149-154.

Castagnola L, Negro V. L’esame delle vitalita pulpare nella pratica. Mondo Odontostomatol 1972 nov-dez; 14(6): 919-31.

Jack L. Observation of the relation of thermal irritation of the teeth to their treatment. Dental Cosmos 1899; 41(1):1-6.

Austin LT, Waggener DT. Vitality tests with particular reference to the use of ice. J Am Dent Assoc 1941 Jul; 28(7): 1044-49.

Dachi SF, Haley JV, Sanders JE. Standardization of a test for dental sensivity to cold. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1967 Nov; 24(5): 687-92.

Pesce HF, Medeiros JMF, Rizzo VA. Determinação da vitalidade pulpar pelo teste térmico do frio. Rev Paul Odontol 1985 set-out; 7(5): p.2-10.

Aun CE, Caldeira CL, Gavini G, Pesce HF. Avaliação da vitalidade pulpar em dentes permanentes jovens com rizogênese completa. Rev Fac Odontol FZL 1992 jul-dez; 4(2): 95-104.

.Aun CE, Caldeira CL, Gavini G, Pesce HF. Avaliação da vitalidade pulpar em dentes permanentes jovens com rizogênese incompleta. Rev Paul Odontol 1994 novdez;16(6): 9-16.

Pesce HF, Carrascoza A, Medeiros JMF. Determinação da vitalidade pulpar em dentes portadores de bandas ortodônticas. Rev Pós-Grad Fac Odontol Univ São Paulo 1997; 4(2):93-7.

Medeiros JMF, Pesce HF. Eficácia do bastão de gelo e tetrafluoroetano na determinação da vitalidade pulpar. Rev Odontol Univ São Paulo 1997 jul-set; 11(3): 215-9.

Medeiros JMF, Pesce HF. Confiabilidade do gelo e tetrafluoroetano na determinação da vitalidade pulpar. Rev Odontol Univ São Paulo 1998 jan-mar; 12(1): 19-27.

Medeiros JMF, Caldeira CL, Haddad Filho MS, Machado MEL Eficácia de dois agentes térmicos em dentes com coroa protética RGO (Porto Alegre) 2004 jul-set; 52(3): 197-200.

Medeiros JMF, Machado MEL, Caldeira CL, Zöllner NA, Haddad Filho MS, Gavini G. Eficácia de dois agentes térmicos antes e após o tratamento ortodôntico em dentes submetidos a procedimentos restauradores. Publ UEPG Biol Healt As (Pontagrossa) 2005 jun; 11(2): 27-34.

Haddad Filho MS, Caldeira CL, Medeiros JMF. Confiabilidade do gelo e tetrafluoroetano em dentes com pulpite irreversível. Rev Assoc Bras Odontol 2009; 17(3):165- 171.

Irala LED. Avaliação comparativa, in vitro, da capacidade de abaixamento da temperatura de diferentes agentes refrigerantes em sua fonte e meios de transporte. [Mestrado] – Rio Grande do Sul - CO/ULBRA, 2003.

Pesce HF, Barletta FB, Medeiros, JMF, Machado MEL. An in vitro evaluation of the effects of three thermal pulp testing methods on intrapulpal temperature. Rev Odontol UNICID 1995 jan-jun; 7(1): 7-11.

Pesce HF, Medeiros JMF. Determinação da vitalidade pulpar. In: Maciel RN Oclusão e ATM: procedimentos clínicos. 1 ed. São Paulo: Santos, 1998.107-110.

Barletta FB. Avaliação “in vitro” dos possíveis efeitos danosos na superfície do esmalte dentário humano frente ao emprego do bastão de neve carbônica. [Doutorado] - São Paulo: Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. 1994.

Cohen S, Burns RC. Caminhos da polpa. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2000. p.1-18

Nicholls E. Endodontics. 3th ed. London: Bristol, 1984. v.11, p.18-20

Lage-Marques JLS, Antoniazzi JH. Técnica endodôntica. Versão Eletrônica da Técnica de Endodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. [CD-ROM]. São Paulo: Ajna Interactive; 2002.

Paiva JG, Antoniazzi JH. Endodontia. Bases para a prática clínica. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, 1991. 886p.

Zöllner NA, Pesce HF. Considerações em torno do emprego dos testes térmicos na determinação da vitalidade pulpar. Rev Biociências 1997; 3:113-20


Visualizações do PDF:

153 views


Visualizações do Resumo:

459 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud