Sinais e sintomas da disfunção temporomandibular: Revisão de literatura

Rosielle Santos das Neves Moura, Jéssyka Nataelly Correia de Moura, Evaldo Sales Honfi-Júnior, Luciana Barbosa Sousa de Lucena, Eduardo Dias -Ribeiro

Resumo

A Disfunção Temporomandibular (DTM) tem etiologia multifatorial e complexa, caracterizada por uma ampla variedade de sinais e sintomas. O objetivo deste estudo é revisar a literatura em busca dos principais sinais e sintomas da DTM. Os resultados mostram que prevalece no sexo feminino, a média geral de idade é de 30 anos, sendo a faixa etária de 18 a 30 anos e, de 40 anos ou mais, as mais prevalentes. A maioria diagnosticada com DTM moderada. Tensão emocional, ruído articular e dor muscular foram os sinais e sintomas mais prevalentes. Na ocorrência de dor muscular, os sinais e sintomas mais prevalentes foram dificuldade de movimentar a mandíbula e limitação de abertura da boca. Na dor articular, não houve diferença estatisticamente significante. Na presença de ruído articular, os sinais e sintomas mais prevalentes foram limitação de abertura de boca. Concluiu-se que o perfil prevaleceu com maior concentração em mulheres, pela faixa etária de 18 a 30 anos e em indivíduos casados. Os pacientes, na maioria, foram diagnosticados com DTM moderada e avaliados por outros profissionais antes de se buscar um tratamento especializado. Os sinais e sintomas mais frequentes incluíram tensão emocional, ruído articular e dor muscular.

Palavras-chave

Prevalência;Sinais e sintomas;Síndrome da disfunção da articulação temporomandibular.

Texto completo:

PDF

Referências

McNeill C, Danzig WM, Farrar WB, Gelb H, Lerman MD, Moffett BC, et al. Position paper of the American Academy of Craniomandibular Disorders. Craniomandibular (TMJ) disorders--the state of the art. J Prosthet Dent 1980 Oct;44(4):434-7.

Silveira AM, Feltrin PP, Zanetti RV, Mautoni MC. Prevalência de portadores de DTM em pacientes avaliados no setor de otorrinolaringologia. Rev Bras Otorrinolaringol 2007 Aug. ;73(4):528-32.

Alencar Jr FG. Oclusão, dores orofaciais e cefaléia. São Paulo: Santos; 2005.

Okeson J. Diagnostico das desordens temporomandibulares. In: JP O. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2000.

Okeson J. Etiologia dos distúrbios funcionais no sistema mastigatório. In: Okeson J. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2000

Oliveira W. Contribuição ao estudo da freqüência de sintomas subjetivos, relatados como queixa principal, por pacientes com disfunção craniomandibular [Dissertação]. São José dos Campos 1992.

Pereira Júnior FJ, Vieira AR, Prado R, Miasato JM. Visão geral das desordens temporomandibulares. RGO (Porto Alegre) 2004 abr.-jun. ;52(2):117-21.

.Conti PC, de Azevedo LR, de Souza NV, Ferreira FV. Pain measurement in TMD patients: evaluation of precision and sensitivity of different scales. J Oral Rehabil 2001 Jun;28(6):534-9.

Koh H, Robinson PG. Occlusal adjustment for treating and preventing temporomandibular joint disorders. J Oral Rehabil 2004 Apr;31(4):287-92.

Shifman A, Gross MD. Diagnostic targeting of temporomandibular disorders. J Oral Rehabil 2001 Nov;28(11):1056-63.

Buescher JJ. Temporomandibular joint disorders. Am Fam Physician 2007 Nov 15;76(10):1477-82.

Palla S. Mioartropatias do sistema mastigatório e dores orofaciais. São Paulo: Artes Médicas; 2004.

Fonseca DM, Bonfante G, Valle AL, Freitas SFT. Diagnóstico pela anamnese da disfunção craniomandibular. RGO (Porto Alegre) 1994 jan.- fev.;42(1):23-4, 7-8.

Conti PC, Ferreira PM, Pegoraro LF, Conti JV, Salvador MC. A cross-sectional study of prevalence and etiology of signs and symptoms of temporomandibular disorders in high school and university students. J Orofac Pain 1996 Summer;10(3):254-62.

Carlsson GE, Deboever JA. Epidemiologia. In: Zarb GA. Disfunções da articulação temporomandibular e dos músculos da mastigação. São Paulo: Santos; 2000. p. 159-68.

Dworkin SF, LeResche L. Research diagnostic criteria for temporomandibular disorders: review, criteria, examinations and specifications, critique. J Craniomandib Disord 1992 Fall;6(4):301-55.

Nekora-Azak A, Evlioglu G, Ordulu M, Issever H. Prevalence of symptoms associated with temporomandibular disorders in a Turkish population. J Oral Rehabil 2006 Feb;33(2):81-4.

Cozzolino FA, Rapoport A, Franzi SA, Souza RP, Pereira CAB, Dedivitis RA. Correlação entre os achados clínicos e imaginológicos nas disfunções temporomandibulares. Radiol Bras 2008 41(1):13-7.

Grau León I, Fernández Lima K, González G, Osorio Núñez M. Algunas consideraciones sobre los trastornos temporomandibulares. Rev Cubana Estomatol 2005 42(3):0- Oliveira W. Disfunção temporomadibular. In: PAIVA JH. Noções e conceitos básicos em oclusão, disfunção temporomandibular e dor orofacial. São Paulo: Santos; 2008. p. 215-32.

.Lima DR. Study of the prevalence of craniomandibular dysfunction using Helkimo’s Index and having as variables sex, age and wether the subjects had as had not been trated orthodonticaly. Rev Fac Odontol São José dos Campos 1999 jul./dez.;2(2):1-9.

Lucena LBS. O impacto da disfunção temporomandibular na qualidade de vida relacionada à saúde bucal [Tese]. João Pessoa2004.

.de Lucena LB, Kosminsky M, da Costa LJ, de Goes PS. Validation of the Portuguese version of the RDC/TMD Axis II questionnaire. Braz Oral Res 2006 Oct-Dec;20(4):312-7.


Visualizações do PDF:

275 views


Visualizações do Resumo:

847 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud