Violência contra crianças e adolescentes: conhecimentos dos odontopediatras da capital paraibana – estudo piloto

Carlus Alberto Oliveira dos Santos, Mariana Cavalcanti Lacerda, Aparecida Tharlla Leite Caldas, Ingrid Nascimento Navarro de Souza, Silmara Andrade Silva, Cristiane Araújo Maia Silva, Eliane Batista de Medeiros Serpa, Fernanda de Araújo Trigueiro Campos

Resumo

Introdução: O Cirurgião-Dentista tem a obrigação ética e legal na identificação/notificação dos casos de maus-tratos. Objetivo: Objetivou-se com esse estudo analisar o conhecimento dos Odontopediatras da cidade de João Pessoa-PB sobre maus-tratos infantis. Tratou-se de um estudo quantitativo, exploratório, bibliográfico e descritivo. O universo dessa pesquisa compreendeu 44 Cirurgiões-Dentistas regularmente inscritos no Conselho Regional de Odontologia da Paraíba, com especialidade em Odontopediatria, em qualquer faixa etária de ambos os sexos. Para realização do calculo amostral foi considerado grau de confiança de 95%, ficando uma amostra de 40 Odontopediatras. Métodos: Aplicou-se um questionário com 11 questões que atendiam aos objetivos da pesquisa. Os dados coletados foram tabulados em uma plataforma do Microsoft Excel e analisados mediante estatística descritiva (valores de frequência absoluta e percentual) no software IBM SPSS (21.0). Resultados: A maioria dos profissionais é do sexo feminino (93,5%) e 48,39% têm mais que a 4a década de vida. 51,61% definiram maus-tratos infantis de forma incompleta, 51,6% classificaram de forma completa, conforme a Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência; os sinais/sintomas bucais mais citados foram fraturas dentárias (41,07%), queimaduras (21,43%), lacerações (14,29%) e hematomas (12,5%); já os sinais/sintomas corporais mais citados foram hematomas (35,6%), queimaduras (20,34%), fraturas (15,25%) e lacerações (10,17%). A maioria dos pesquisados relatou saber agir diante de casos de maus-tratos (93,5%), entre eles 76,92% denunciariam ao conselho tutelar e 54,8% demonstram interesse em capacitação. Conclusão: De forma geral, houve conhecimento parcialmente satisfatório dos Odontopediatras inscritos no CRO-PB sobre maus-tratos infantis.

Palavras-chave

Maus-tratos infantis;Violência;Odontologia;Odontopediatria.

Texto completo:

PDF

Referências

Garbin CAS, Rovida TAS, Costa AA, Garbin AJI. Recognition and reporting of violence by professionals of the family health strategy. Arch Health Invest 2016 5(1):8-12.

Matos F, Mamede Neto L, Rezende CD, Borges ÁH, Silva KL, Pedro FLM, et al. Avaliação do conhecimento dos alunos de graduação em odontologia x cirurgião dentista no diagnóstico de maus-tratos a crianças ROBRAC 2013 out-dez;22(63):153-7.

Moreira GAR, Rolim ACA, Saintrain MVL, Vieira LJES. Atuação do cirurgião-dentista na identificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes na atenção primária. Saúde em Debate 2015 39(spe):257-67.

Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciênc saúde coletiva 2016 mar;21(3):871- 80.

Sousa GFP, Ferreira JMS, Gomes MNC, Granville-Garcia AF, Carvalho MMP. Conhecimento de acadêmicos em odontologia sobre maus-tratos infantis. Odonto (Säo Bernardo do Campo) 2012 jul-dez;20(40):101-8.

Brasil. Ministério Da Saúde. Preven- ção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Lourenço CB, Saintrain MVL, Vieira APGF. Child, neglect and oral health. BMC Pediatrics 2013 13(188-.

Carvalho LMF, Galo R, Silva RHA. O cirurgião-dentista frente à violência doméstica: conhecimento dos profissionais em âmbito público e privado. Rev Medicina Ribeirão Preto 2013 46(3):8.

Fracon ET, Silva RHA, Bregagnolo JC. Avaliação da conduta do cirurgião- -dentista ante a violência doméstica contra crianças e adolescentes no município de Cravinhos (SP). RSBO 2011 jun ;8(2):153-59.

Garbin CAS, Garbin AJI, Moimaz SAS, Saliba O, Costa ACO, Queiroz APDG. Notificação de violência contra crian- ça: conhecimento e comportamento dos profissionais de saúde. Rev Bras Pesqui Saúde 2011 13(2):17-23.

Granville-Garcia AF, Silva MJF, Menezes VA. Maus-tratos a crianças e adolescentes: um estudo em São Bento do Una, PE, Brasil. Pesqui bras odontopediatria clín integr 2008 set-dez ;8(3):301-7.

Gurgel CAS, Carvalho ACR, Barros SG, Alves AC. Maus-tratos contra crianças: atitudes e percepção do cirurgião-dentista. Pesqui bras odontopediatria clín integr 2001 maio-ago;1(2):23-8.

Cavalcanti AL. Abuso infantil: protocolo de atendimento odontológico. Rev bras odontol 2001 nov-dez ;58(6):378-80.

Moreira GAR, Vieira LJES, Deslandes SF, Pordeus MAJ, Gama IS, Brilhante AVM. Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciênc saúde coletiva 2014 out;19(10):4267-76.


Visualizações do PDF:

101 views


Visualizações do Resumo:

303 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
-->
Tema: Mpg. Customizado por: Articloud